Governo guineense afirma estar empenhado em baixar nível de endividamento

O ministro das Finanças da Guiné-Bissau, Ilídio Té, afirmou hoje que o Governo está a trabalhar para baixar o nível de endividamento do país e que o empenho das autoridades levou ao acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

“Nós temos a ideia clara de que o endividamento está num nível alto. É bom que se repita que são dívidas que vêm desde 1994 até à data presente. O Governo está empenhado, a trabalhar arduamente para que possam baixar o nível em que estamos”, afirmou Ilídio Té, quando questionado pela Lusa sobre o endividamento público, que representa mais de 80% do Produto Interno Bruto (PIB) guineense.

Ilídio Té falava aos jornalistas em conferência de imprensa, após o FMI ter anunciado que chegou a acordo com as autoridades guineenses para assinatura de um programa no âmbito da Facilidade de Crédito Alargado, com a duração de 36 meses e no valor de 36,3 milhões de dólares (cerca de 35,45 milhões de euros).

O ministro explicou que, neste momento, o executivo só faz empréstimos que não impliquem aumentar a percentagem de dívida pública.

Ilídio Té insistiu que o “Governo está empenhado”.

“Se não fosse o engajamento, empenho e dedicação total do Governo não estaríamos nesta fase com o Fundo Monetário Internacional, que é uma coisa muito boa para o país, porque quem tem o Fundo ao seu lado tem os caminhos abertos para os restantes parceiros internacionais”, afirmou.

Ilído Té salientou que o FMI “não impõe a nenhum país a tomada de medidas”, apenas “mostra os caminhos que devemos percorrer”.

“Nós achamos que é pertinente seguir as orientações do fundo, porque sabemos muito bem aquilo que estamos a preconizar para o país, que é o bem-estar, e estamos a seguir os conselhos do fundo para que o país possa estar estável economicamente e seguir o seu caminho rumo ao desenvolvimento, que acho que todo o bom filho da Guiné-Bissau quer neste momento”, disse.

Segundo o ministro, o país tem de continuar a seguir um “rumo de que todos os seus filhos se possam orgulhar”.

“Trilhar os caminhos que são aceitáveis para a comunidade internacional, porque não somos diferentes de nenhum povo do mundo, fazemos parte do concerto das Nações e temos de nos comportar como pessoas que são dignas de um país como a Guiné-Bissau”, disse.

Recomendadas

Desflorestação na Amazónia cai pela primeira vez no Governo de Bolsonaro

A Amazónia brasileira perdeu 11.568 km2 de cobertura vegetal entre agosto de 2021 e julho de 2022, menos 11,3% que a devastada no ano anterior. É a primeira redução do desmatamento desde que Jair Bolsonaro chegou ao poder.

Israel: Netanyahu garante que vai manter a controlo sobre a extrema-direita

Primeiro-ministro designado insiste que os radicais com que formará governo não vão tomar o poder nas suas mãos. “Israel não será governado pelo Talmud”. A incógnita é o que acontecerá com o seu julgamento por corrupção.

Parlamento alemão define como genocídio a “grande fome” na Ucrânia

O parlamento alemão aprovou uma resolução que define de genocídio o ‘Holodomor´’, a “grande fome” que atingiu a Ucrânia em 1932-1933 e que terá vitimado mais de três milhões de ucranianos.
Comentários