Governo guineense vai importar 60 mil toneladas do arroz para atenuar subida dos preços

O Governo da Guiné-Bissau vai importar 60 mil toneladas do arroz “nos próximos dias” para atenuar a subida galopante do preço daquele que é o principal produto alimentar no país, disse hoje à Lusa o diretor-geral do Comércio.

Nos últimos dias, guineenses têm denunciado, nas rádios e nas redes sociais, que um saco do arroz de 50 quilogramas chega a ser vendido até 23 mil francos cfa (cerca de 35 euros) e que o açúcar “desapareceu do mercado”.

Segundo as denúncias da população, os poucos comerciantes que ainda têm açúcar estão a vender o produto até 30 mil francos CFA (cerca de 45 euros) por cada saco de 50 quilogramas, quando o Governo fixou o preço em 27 mil (cerca de 41 euros).

O óleo alimentar, que era vendido a 750 francos CFA (1,14 euros) por cada litro, agora chega a custar o dobro de preço.

Para “atenuar a situação”, o diretor-geral do Comércio, Lassana Fati, entende que o Governo deve intervir, numa operação que o próprio considera complicada.

“Tendo em conta a especificidade do nosso mercado, o Governo entendeu que deve interferir para fazer face a essa escassez de produtos da primeira necessidade, por isso, junto com os seus parceiros, o Governo pensa fazer uma importação de emergência”, afirmou.

A operação, que Fati pensa estar concretizada “nos próximos dias”, deve contar com o envolvimento do setor privado.

O Governo conta importar 60 mil toneladas do arroz, da espécie trinca 100% partido, conhecido na Guiné-Bissau por “nhelen perfumado”, 30 mil toneladas de açúcar, entre 15 e 20 mil toneladas de farinha de trigo e sete milhões de litros de óleo alimentar.

“Pensamos que brevemente vamos conseguir abastecer o mercado com produtos de primeira necessidade”, referiu o diretor-geral do Comércio guineense.

Recomendadas

Guiné Equatorial é o único regime autoritário entre lusófonos, aponta relatório

Relatório “Estado Global das Democracias”, elaborado pelo Instituto Internacional de Democracia e Assistência Eleitoral, não inclui nenhuma referência a São Tomé e Príncipe. Nas categorias Governo Representativo, Direitos Fundamentais, Controlo do Poder Executivo e Imparcialidade da Administração, Cabo Verde é entre os países de língua oficial portuguesa o mais bem classificado em todas, com exceção de Portugal.

Venezuela e Moçambique promovem cooperação “estratégica” na área espacial

O presidente da Agência Bolivariana para as Atividades Espaciais (ABAE) venezuelana, Adolfo Godoy, encontrou-se na terça-feira com a coordenadora da Agência Nacional de Desenvolvimento Geoespacial moçambicana, Odete Semião, de acordo com um comunicado.

Primeiro-ministro são-tomense pede “unidade e convergência” para reformas do governo

“Renovamos o nosso apelo à unidade e convergência nas ações e reformas estruturantes a serem empreendidas pelo governo. A terra é nossa e a sua recuperação é nossa responsabilidade exclusiva”, afirmou Patrice Trovoada, na apresentação do programa do Governo, na Assembleia Nacional.
Comentários