Governo ligou aos banqueiros após demissão de António Domingues da CGD

Nuno Amado, António Ramalho, António Vieira Monteiro, Fernando Ulrich e José Félix Morgado receberam um telefonema do governo.

Cristina Bernardo

A SIC Notícias avançou que o Governo, na sequência da demissão da CGD, e através do Ministério das Finanças, ligou aos presidentes dos bancos para comunicar a saída de António Domingues, para pedir opinião sobre a futura gestão da CGD, para falar da estabilidade financeira e do problema do crédito malparado.

Nuno Amado, António Ramalho, António Vieira Monteiro, Fernando Ulrich e José Félix Morgado receberam um telefonema do governo.

Lamenta demissão de António Domingues e de mais seis administradores, mas diz que “a lei é para cumprir”.

O vice-presidente da Comissão Europeia para os Serviços Financeiros diz que a luz verde dada à recapitalização da Caixa, em agosto, se mantém. Valdis Dombrovskis acrescenta ainda que é importante que a nova equipa de gestão do banco dê continuidade ao plano acordado com Bruxelas.

Vários administradores apresentam as declarações, António Domingues será um deles, e Pedro Norton já apresentou, segundo a SIC.

António Domingues diz que ficou sem condições para assegurar a estabilidade da Caixa porque o banco se tornou um alvo político de elevadas proporções. Sai por considerar que o banco está a ser usado como arma política.

Nunca se importou de entregar as declarações ao Tribunal Constitucional, mas foi fiel à equipa que convidou a quem foi prometido que não teriam de entregar as declarações de rendimentos e património. Tal era o caso de Ángel Corcostegui e Herbert Walter, de Henrique Cabral Menezes, de Paulo Rodrigues da Silva e de Emídio Pinheiro.

Mesmo os que se demitem têm de apresentar a declaração. A lei de 1983 diz que têm de apresentar a declaração de rendimentos. Caso não cumpram, podem ficar impedidos de ter cargos semelhantes, durante 5 anos.

Ficam na administração da CGD: Rui Vilar, Pedro Leitão (executivo), João Tudel Martins (executivo) e Tiago Ravara Marques (executivo).

O mercado avança entretanto com nomes para suceder a António Domingues. Para além de Paulo Macedo, outro nome comentado é o de José Félix Morgado, presidente do Montepio Geral.

Fora de questão está a ida de Nuno Amado, presidente do BCP, para a CGD.

António Costa só vai anunciar o nome depois de ser aprovado pelo Mecanismo Único de Supervisão do BCE.

 

Recomendadas

CGD vai continuar com uma posição de capital acima da média da Europa, diz Paulo Macedo

O presidente da Comissão Executiva da CGD disse hoje que o banco vai continuar com uma das maiores redes de agências e com uma posição de capital acima da média da Europa e acima dos bancos portugueses.

Oracle e tecnológica portuguesa modernizam sistemas de quatro Caixas Agrícolas

As instituições bancárias do Bombarral, Chamusca, Mafra e Torres Vedras vão implementar novas soluções de banca digital ao longo dos próximos dois anos. O projeto, que decorre até 2024, envolve a migração de dados para a ‘cloud’.

Sindicatos bancários mantêm proposta de revisão salarial para trabalhadores do BCP

Os sindicatos consideram que a proposta do BCP “não é suficiente, nem ajustada à realidade”. E prometem continuar a lutar por uma “atualização justa” para os bancários do banco liderado por Miguel Maya.
Comentários