Governo não vai pagar “parte significativa” da despesa das autarquias no combate à covid-19

“Tenho algumas dúvidas de que poderemos apoiar muitas das despesas que os municípios tiveram”, afirmou a ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, ao Público.

Ana Abrunhosa, Ministério da Coesão Territorial. Foto: Lusa

O Governo não deverá pagar uma parte significativa das despesas que as câmaras tiveram para combater a pandemia em 2020. Os municípios reclamam uma dívida de 156 milhões de euros e pediam que essa verba fosse incluída no Orçamento de Estado para 2022 (OE2022).

No entanto, avança o Público na edição deste sábado, o documento que foi aprovado na sexta-feira não prevê o pagamento dessas despesas às autarquias e o mesmo deverá acontecer no próximo ano.

“Tenho algumas dúvidas de que poderemos apoiar muitas das despesas que os municípios tiveram”, afirmou a ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa, ao jornal, referindo que, muitas vezes, não há faturas e que a despesa foi feita com base em protocolos, o que impede que sejam elegíveis para apoios comunitários. “Parte significativa dessas despesas pode não encontrar justificação”, admitiu a governante.

Recomendadas

Almedina reforça áreas emergentes do Direito

A Almedina, distingue-se pela proximidade à academia e liderança na área jurídica.

Saúde mental e “sindicalismo de marca” criam novos desafios

Advogados contactados pelo JE consideram que o Direito se terá de se adaptar à criação de sindicatos dentro das empresas, à semana de trabalho de quatro dias e ao equilíbrio da vida pessoal e profissional dos trabalhadores.

Tecnológicas destacam-se nos testes à semana de trabalho de quatro dias

Feedzai, Doutor Finanças, B6 Software e Manwinwin têm em comum o foco na tecnologia e, consequentemente, a maior necessidade de reter e atrair talento. Para se destacarem perante a concorrência, reduziram a carga horária.
Comentários