Governo nega “acordo secreto de natureza imobiliária” para mudança do Infarmed

“Olhe nos meus lábios: não há nenhum compromisso”, afirmou Adalberto Campos Fernandes, numa audição no parlamento, dirigindo-se à deputada do CDS Isabel Galriça Neto que antes questionara o ministro sobre a existência de compromissos com agentes imobiliários.

covid

O ministro da Saúde afirmou hoje no parlamento que não existe nenhum “acordo secreto de natureza imobiliária” na origem da deslocalização do Infarmed de Lisboa para o Porto.

“Olhe nos meus lábios: não há nenhum compromisso”, afirmou Adalberto Campos Fernandes, numa audição no parlamento, dirigindo-se à deputada do CDS Isabel Galriça Neto que antes questionara o ministro sobre a existência de compromissos com agentes imobiliários.

A deputada recordou que as instalações do Infarmed, localizado no Parque da Saúde, em Lisboa, são atualmente alugadas a “um preço simbólico”, enquanto a deslocalização para o Porto poderia implicar a ocupação de imóveis, nomeadamente privados.

“O Porto não merece essa insinuação, que é descortês e deselegante”, afirmou Adalberto Campos Fernandes que aproveitou a intervenção para negar a existência de qualquer querela norte-sul.

Antes, o deputado do BE Moisés Ferreira tinha defendido a integração dos trabalhadores do Infarmed no grupo que está a avaliar a deslocalização deste organismo para o Porto, mas o ministro da Saúde optou por uma colaboração “muito intensa”.

O ministro garantiu perante os deputados que os trabalhadores são a “questão central” desta mudança e assegurou que “nada será feito que prejudique ou não tenha em conta os interesses profissionais e os direitos de escolha e de opção dos trabalhadores”.

“Estas são duas linhas de segurança: continuidade de atividade e o respeito pelas condições de trabalho dos profissionais”, disse Adalberto Campos Fernandes.

Para Moisés Ferreira, “se os trabalhadores não integrarem a mudança, não há Infarmed”.

“Pela sua especialização, estes trabalhadores não podem ser colocados à margem da mudança”, adiantou o deputado bloquista, afirmando não entender a razão por os trabalhadores não estarem presentes no grupo de trabalho criado após o anúncio desta deslocalização para avaliar a mudança.

Também o PCP achou “estranho” a ausência de representantes destes trabalhadores no grupo.

“Quem melhor conhece o impacto desta mudança do que os trabalhadores?”, questionou a deputada Carla Cruz.

O grupo de trabalho, coordenado pelo antigo presidente do Infarmed Henrique Luz Rodrigues, deve realizar uma “avaliação de caráter técnico e científico”, bem como analisar os impactos a nível nacional e internacional da deslocalização da sede da Autoridade do Medicamento, que o Governo quer colocar no Porto.

Para Adalberto Campos Fernandes, a ausência de representantes dos trabalhadores neste grupo deveu-se às opções que visaram “manter o exercício de independência”. “Com os trabalhadores lá dentro, poderia levar a outro tipo de representações”, disse.

“Recomendei que deve haver uma colaboração muito intensa com a comissão de trabalhadores que já apresentou propostas. Não deixaremos de ter em conta o seu contributo, posição e sentimento em relação ao seu trabalho”, disse.

Ainda assim, o ministro disse que poderá sugerir ao grupo de trabalho a inclusão de representantes dos trabalhadores, ressalvando que não é por estarem fora da constituição do grupo de trabalho que eles serão menos ouvidos.

A audição de Adalberto Campos Fernandes foi solicitada pelo PSD.

O anúncio de que a sede da Autoridade Nacional do Medicamento (Infarmed) sairia de Lisboa para o Porto foi feito por Adalberto Campos Fernandes a 21 de novembro durante uma conferência em Lisboa e apanhou de surpresa os trabalhadores da instituição.

A maioria dos funcionários manifestou já que não está disposta a ir para o Porto.

Relacionadas

PSD acusa Governo de falta de credibilidade na decisão sobre o Infarmed

O deputado social-democrata Miguel Santos considerou hoje no Parlamento que houve “falta de credibilidade no anúncio” da decisão de deslocalização da sede da autoridade do medicamento para o Porto, entendendo que várias perguntas fundamentais não tiveram resposta antes de ser tomada essa decisão.

Grupo para avaliar transferência do Infarmed deve apresentar relatório até 30 de junho

Até 30 de junho de 2018, o grupo tem de apresentar ao ministro da Saúde propostas de cenários para o modelo de deslocalização, uma avaliação da relação de custo-benefício, a identificação de eventuais riscos e constrangimentos e a análise do impacto nos profissionais do Infarmed.
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.

Santos Silva nega problema com o Qatar e assegura tranquilidade aos emigrantes (com áudio)

O presidente da Assembleia da República (AR), Augusto Santos Silva, assegurou hoje que não há qualquer problema de relacionamento entre Portugal e o Qatar, e salientou que todos os portugueses residentes naquele país asiático “podem estar tranquilos”.

Sindicatos dos médicos e Ministério da Saúde voltam hoje às negociações (com áudio)

Sindicatos dos médicos e Ministério da Saúde voltam hoje a reunir-se para uma segunda ronda de negociações, depois do encontro realizado em 09 de novembro que deu início formal a este processo.
Comentários