Governo português assina acordo de parceria com a FAO

O objetivo deste acordo é o reforço do compromisso comum no combate à fome e à má nutrição na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa.

O Governo português e a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) assinaram hoje, dia 4 de dezembro, em Roma, um acordo de parceria, tendo como objetivo o reforço do compromisso comum no combate à fome e à má nutrição na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

“O acordo visa a melhoria das capacidades do escritório daquela organização em Portugal e junto da CPLP e foi assinado pelo ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, e pelo Diretor-Geral da FAO, José Graziano da Silva”, realça um comunicado do Ministério da Agricultura.

Segundo o documento, a assinatura deste acordo abre novas oportunidades para a partilha de boas práticas entre os Estados-Membros da CPLP, reforçando a consolidação da Estratégia para a Segurança Alimentar e Nutricional (ESAN), para a qual o Governo Português contribuiu através da promoção da Carta de Lisboa pelo Fortalecimento da Agricultura Familiar, assinada em Lisboa em fevereiro do ano passado.

Para o Chefe do Escritório de Informação e Comunicação da FAO em Portugal e junto da CPLP, Francisco Sarmento, “o acordo demonstra a prioridade política do Governo de Portugal na promoção de uma transição para sistemas alimentares sustentáveis em Portugal e na CPLP”.

Este responsável acrescentou que “o novo escritório irá contribuir para aumentar a capacidade dos quadros técnicos dos Estados-Membros da CPLP, e de outros países, na promoção da segurança alimentar e nutricional, da proteção social no meio rural, da conservação dinâmica de sistemas agrícolas de importância mundial, da nutrição e dietas sustentáveis, incluindo a dieta mediterrânica, entre outras áreas”.

Por seu turno, o ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural, Luís Capoulas Santos, afirmou que “para Portugal, este acordo é parte importante da estratégia de fortalecimento do sistema alimentar através da partilha de conhecimentos com os Estados–Membros da CPLP e com outros países, em particular os da região do Mediterrâneo, e também com novos atores globais nesta área, onde se inclui a República da China”.

Capoulas Santos considera ainda que “este é um tema ao qual é necessário dar a devida importância, tendo em conta que a questão da segurança alimentar, enquanto garantia de produção de alimentos suficientes para alimentar da população mundial, é um tema da maior relevância, que vem sendo colocado na ordem do dia e ao qual é preciso dar prioridade política do ponto de vista estratégico”.

O Governo português, para além de ter promovido a Carta de Lisboa, aprovou o Estatuto da Pequena Agricultura Familiar, cuja entrada em vigor ocorreu em novembro.

Recomendadas

Desperdício alimentar deverá ter impacto económico de 1,5 mil milhões de euros em 2030

Um milhão de toneladas de alimentos é desperdiçado todos os anos, em Portugal. Uma média de 100 quilos por pessoa, ao mesmo tempo que 1,6 milhões de portugueses vivem abaixo do limiar da pobreza.

Aprovação do plano da PAC confirma “más notícias” para agricultura familiar

“Com a aprovação do PEPAC para Portugal, a aplicar no período 2023-2027, confirmam-se as más notícias para a agricultura familiar, para os consumidores e para o ambiente”, apontou, em comunicado, a CNA.

Bruxelas dá ‘luz verde’ ao plano estratégico português de 6.700 milhões para PAC

“Hoje [quarta-feira] a Comissão Europeia aprovou o primeiro pacote de planos estratégicos da PAC para sete países: Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Polónia, Portugal e Espanha”, anuncia o executivo comunitário em comunicado hoje divulgado.
Comentários