PremiumGoverno prepara “solução sistémica” para o pós-moratórias

Executivo prepara “solução sistémica” para empresas com dificuldade em pagar créditos após o fim das moratórias. Dívida poderá ser convertida em capital e entregue a fundos que passarão a ser acionistas, diz Siza Vieira.

Cristina Bernardo

O Governo está a preparar medidas para reduzir o endividamento das empresas e reforçar os seus capitais próprios, após o fim das moratórias, em setembro de 2021, tal como noticiou o “Expresso” em outubro. Em entrevista ao Jornal Económico, o ministro Siza Vieira levanta uma pequena ponta do véu: até ao final do primeiro semestre, o Governo conta ter uma “solução sistémica” que poderá passar pela conversão da dívida em capital, ficando este nas mãos de fundos – públicos ou privados – que passarão a ser acionistas das empresas. Desta forma, estas últimas serão capitalizadas e o sector financeiro ficará menos exposto a um previsível aumento do crédito malparado causado pela crise pandémica, que poderia obrigar a novas injeções de capital nos bancos.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

PremiumSiza Vieira: “O segundo semestre de 2021 vai ser de franco crescimento”

Siza Vieira prevê início da retoma à medida que a pandemia ficar sob controlo, do segundo trimestre em diante. “A diferença é que agora já temos previsibilidade quanto ao processo de vacinação”, frisa.
Recomendadas

PremiumMercado recupera dos mínimos de setembro

Outubro inicia com ganhos das ações, alicerçados na queda dos juros, confiantes num abrandamento dos bancos centrais.

Premium“A operação da TAP é estratégica para o Brasil”, diz presidente da Embratur

Portugal é um “país-chave para a entrada de europeus no Brasil e de brasileiros na Europa”, diz Silvio Nascimento, que espera que a TAP possa não só manter como aumentar o número de rotas, mesmo após o processo de reestruturação.

PremiumMobilização russa sem impacto: Ucrânia continua a recuperar território

Enquanto a União Europeia não se decide sobre o que fazer aos dissidentes russos que não querem ir parar às trincheiras, as tropas ucranianas afirmam que continuam a recuperar largas faixas de terreno. E dizem que a mobilização não está a ter qualquer efeito em benefício da Rússia.
Comentários