Oficial: Governo prevê que economia irá crescer 1,9% em 2020, o mesmo que este ano

O Executivo liderado por António Costa deixou cair assim a ligeira aceleração, para 2%, que constava no esboço orçamental enviado em outubro à Comissão Europeia.

A economia portuguesa deverá crescer 1,9% no próximo ano, ao mesmo ritmo que a expansão de 2019, segundo a proposta do Orçamento do Estado entregue pelo Governo ao Parlamento esta segunda-feira.

O Executivo liderado por António Costa deixou cair assim a ligeira aceleração, para 2%, que constava no esboço orçamental enviado em outubro à Comissão Europeia. Nessa altura, o Governo explicou que a projeção assenta “na antecipação de uma recuperação do crescimento económico na área do euro, em linha com as previsões de instituições internacionais, como o Fundo Monetário Internacional”.

Esta segunda-feira, na proposta do OE2020, o Governo afirmou que “para 2020 perspetiva-se que a economia portuguesa continue em expansão, pelo sétimo ano consecutivo, prevendo-se um crescimento real do PIB de 1,9%”, adiantando que este crescimento está em linha com o previsto na última atualização do Programa de Estabilidade 2019-2023.

“Estima-se que a ligeira recuperação do crescimento da área do euro dê um contributo positivo para a dinâmica da procura externa relevante para as exportações portuguesas, as quais deverão acelerar de 2,5% em 2019 para 3,2%”,

“As restantes componentes da procura global deverão manter um contributo positivo para o crescimento do PIB, destacando-se a manutenção do dinamismo do investimento e, em menor grau, do consumo privado”, vincou.

 

[Em atualização]

Recomendadas

Moldova mantém neutralidade mas irá fortalecer a cooperação com a NATO

A Moldova manterá a neutralidade, mas aprofundará a sua cooperação com a NATO para garantir a sua capacidade defensiva, declarou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros da Moldova, Nicu Popescu.

Espanha e Alemanha reúnem-se em cimeira pela primeira vez desde 2013

Espanha e Alemanha celebram na quarta-feira a primeira cimeira bilateral em nove anos, que coincide com um momento de sintonia entre os dois executivos em projetos como o do gasoduto para ligar a Península Ibérica à Europa central.

CMVM: “É notório o crescimento da divergência dos padrões de poupança das famílias portuguesas”

“A poupança de longo prazo exige disciplina e empenho além de, naturalmente, um nível de rendimento que permita poupar. Esta combinação de condições ajuda a explicar o baixo nível de poupança em Portugal e em outros países que nos são próximos”, reconhece Rui Pinto.
Comentários