Governo propõe descida seletiva do IRC para empresas que aumentem salários

As medidas integram a proposta do Governo para um acordo de médio prazo de melhoria dos rendimentos, dos salários e da Competitividade, que será apresentado esta tarde na Concertação Social.

O Governo vai propor hoje aos parceiros sociais uma redução seletiva do IRC para as empresas que promovam o aumento dos salários e invistam em investigação e desenvolvimento, segundo a proposta a que a Lusa teve acesso.

As medidas integram a proposta do Governo para um acordo de médio prazo de melhoria dos rendimentos, dos salários e da Competitividade, que será apresentado esta tarde na Concertação Social.

O documento prevê uma “redução seletiva do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas (IRC) para empresas com contratação coletiva dinâmica, com valorização de salários e diminuição do leque salarial”.

O Governo propõe ainda uma descida seletiva do IRC “para as empresas que invistam em I&D [Investigação e Desenvolvimento], reforçando as condições do Sistema de Incentivos Fiscais à Investigação e Desenvolvimento Empresarial (SIFIDE II) na componente do investimento direto”.

Recomendadas

Cortiça da Amorim utilizada nos novos veículos 100% elétricos do Grupo Renault

“A imperiosa necessidade de descarbonizar a economia torna a cortiça um material indispensável nesta urgente mudança de paradigma. Os infindáveis atributos da cortiça estão ao dispor de um Planeta mais sustentável”, defende António Rios de Amorim.

Renting, Factoring e Leasing Imobiliário crescem dois dígitos até setembro

O total do sector significou 30,5 mil milhões de euros, 23,8% acima dos cerca de 24,7 mil milhões dos três trimestres do ano passado e do valor similar de 2019. O maior impulso veio do confirming (serviço de gestão de pagamentos devidos aos fornecedores, permitindo ao cliente do confirming libertar capital para outras áreas).

Respostas rápidas. Como vai funcionar a plataforma de cessação de contratos com as operadoras de comunicações?

Todos os operadores de comunicações eletrónicas ficam sujeitos à nova plataforma, que surgiu com o propósito de fazer valer os direitos dos consumidores, segundo pode ler-se em “Diário da República”.
Comentários