Governo quer criar equipas próprias dedicadas às Urgências

O Governo vai criar equipas próprias dedicadas às urgências “pelo menos” nos hospitais de maior dimensão, disse hoje o ministro da Saúde, apontando esta como uma das “soluções” para colmatar as dificuldades estruturais nestes serviços.

Em declarações aos jornalistas, no Porto, e quando abordado sobre os problemas nas urgências dos hospitais, Manuel Pizarro avançou que está a ser criado um Modelo de Equipas Próprias dedicadas à Urgência “com condições técnicas e remuneratórias mais bem estruturadas”.

“A criação de equipas dedicadas na urgência, pelo menos nas urgências de maior dimensão, pode ser uma solução [para os problemas nestes serviços]. E, não havendo especialidade de Medicina de Urgência, podemos criar estas equipas com condições técnicas e remuneratórias mais bem estruturadas”, disse Manuel Pizarro.

O ministro da Saúde disse que “será criado um modelo que será adaptado conforme as necessidades e as possibilidades de cada local” e usou o exemplo do Centro Hospitalar Universitário de São João (CHUSJ), no Porto, para explicar a medida, mas salvaguardando que até neste hospital a equipa tem de ser “aditivada”.

“O Hospital de São João é um dos hospitais do país que tem uma equipa dedicada à urgência, mas essa equipa precisa de ser aditivada. Precisamos de melhorar as condições para que ela continue a funcionar”, disse o governante.

Manuel Pizarro recordou o chumbo, por parte da Ordem dos Médicos, à criação de uma nova especialidade de Medicina de Urgência, mas não teceu comentários sobre a pertinência ou não da criação desta nova especialidade, preferindo apontar quais as medidas a levar a cabo para melhorar os serviços de urgência dos hospitais portugueses.

“Como é sabido, a Ordem dos Médicos votou desfavoravelmente a criação da nova especialidade de Medicina de Urgência, mas há caminhos para melhorar o funcionamento da urgência”, disse, avançando que são três os domínios a intervir.

“Primeiro é preciso reduzir o afluxo de pessoas à urgência. Temos de criar portas alternativas para que os portugueses possam aceder à saúde em circunstâncias de doença aguda que não seja a urgência”, disse.

Sobre este aspeto, Pizarro recordou como medidas já tomadas a abertura dos centros de saúde ao final da tarde, bem como aos fins de semana, mas admitiu que é preciso “sensibilizar as pessoas para utilizarem mais estas alternativas”.

O ministro da Saúde somou como medidas neste campo o recurso à linha SNS 24.

“E temos de melhorar a fluidez entre a urgência e o hospital. Muitos dos problemas que vivemos hoje em algumas urgências são do conjunto do hospital onde não há capacidade de internamento e isso prende-se com o planeamento que temos de fazer”, disse.

Defendendo que é preciso “uma visão estruturada que permita alocar os recursos financeiros” disponíveis, como os fundos do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) ou os comunitários (PT2030), “às necessidades de forma global para que se possa continuar a melhorar o serviço”, Pizarro insistiu na necessidade de aumentar o planeamento na área da saúde.

“Algo que todos reconhecemos na área da saúde: a função de planeamento não tem sido muito bem tratada nos últimos anos. Temos de perceber que o planeamento é uma função central num serviço público tão sofisticado como é o SNS [Serviço Nacional de Saúde], um serviço que tem a cada dia mais de 2.000 sítios abertos e em 2022 fez mais de 50 milhões de consultas, 650 mil cirurgias, 6 milhões de urgências. Um serviço desta dimensão tem de ter um planeamento muito rigoroso”, concluiu.

Recomendadas

Rastreio do cancro do colo do útero não recuperou desde pandemia

O ministro da Saúde, Manuel Pizarro, disse hoje que os níveis de rastreio do cancro da mama estão “francamente bem”, mas admitiu que os do cancro do colo do útero ainda não recuperaram desde pandemia da Covid-19.

Austrália aprova uso de substâncias psicoativas para fins medicinais em duas doenças

A Iniciativa Liberal considera urgente uma intervenção legislativa que acautele a substituição da remuneração pelo subsídio de doença “nos casos em que se verifica uma situação incapacitante recorrente e intermitente”.

Gastos com medicamentos contra o cancro subiram para 790 milhões em 2022

Entre 2017 e o último ano, as despesas com medicamentos neoplásicos nos hospitais do Serviço Nacional de Saúde (SNS) tiveram um aumento de 9,6%, passando dos 500 milhões para os 790 milhões de euros.
Comentários