PremiumGoverno recusa dar mais tempo para adaptar faturas

Há quatro anos que o código único de documento está pensado, mas foi sendo adiado por causa da pandemia. Passou a ser obrigatório este mês. Os empresários reclamam mais tempo para se adaptarem, mas o Governo recusa.

Desde 2019 que está pensada a introdução do chamado código único de documento nos documentos fiscais, como faturas, para simplificar a sua comunicação à Autoridade Tributária (AT) e reforçar o combate à economia informal e à fraude, mas só agora essa medida está a ser implementada.

Depois dos adiamentos causados pela pandemia, os empresários dizem, contudo, que não estão ainda preparados para concretizar essa mudança, reclamando mais tempo para a fazerem ou, pelo menos, a flexibilização desse processo. Ao Jornal Económico (JE), o Ministério das Finanças sinaliza, porém, que tal não acontecerá, explicando que, não existindo, neste momento, restrições associadas à covid-19, o código único de documento já está mesmo em vigor.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Novas reformas do Estado sobem para 1.538 euros

Só em 2022, cerca de 16 mil funcionários apresentaram a reforma, um aumento de 8,2% face aos dados de 2021.

Fisco arrisca devolver milhões da taxa rodoviária (com áudio)

A CSR foi declarada ilegal em 2022 pela justiça europeia e um acórdão do centro de arbitragem abre a porta a que mais condutores exijam a devolução da taxa, segundo o “DN/Dinheiro Vivo”.

JE Bom Dia: Gomes Cravinho no Parlamento enquanto Disney apresenta resultados

Esta quarta-feira , o ministro João Gomes Cravinho vai ser ouvido no Parlamento sobre as obras do Hospital Militar de Belém. Em paralelo, o INE vai revelar como está a evoluir o mercado de trabalho nacional.
Comentários