Governo reforça apoio à Associação de Paralisia Cerebral da Madeira

Instituição tem 27 anos de existência, acolhe 90 utentes e apoia a mais 200. Vai receber 142 mil euros.

Foto DR

O Governo  Regional da Madeira, presidido por Miguel Albuquerque, decidiu atribuir mais 142 mil euros à Associação de Paralisia Cerebral da Madeira (APCM) , um acordo formalizado, esta quarta-feira, numa cerimónia que contou com a presença de Rita Andrade, secretária regional da Inclusão e Assuntos Sociais.

Com 27 anos de existência, a APCM  acolhe 90 utentes e presta apoio a mais 200. Nas suas instalações, no Caminho do Pico do Funcho, a Associação dispõe de um lar residencial, com com 50 internados e 37 num regime aberto, dando também apoio a duas centenas de utentes no centro de atividades ocupacionais e cuidados clínicos.

O protocolo celebrado esta tarde enquadra-se no reforço das políticas sociais do Governo da Madeira. Miguel Albuquerque destaca o bom funcionamento da instituição.

“Evidentemente que tem custos bastante elevados, mas este dinheiro é muito bem aplicado no tratamento de pessoas que precisam de um apoio permanente”, referiu esta tarde o líder do Executivo, lembrando que a APCM recebeu já este ano 820 mil euros, mas que devido às necessidades de funcionamento foi necessário um reforço da verba.

Já Rita Andrade lembrou que “esta é uma instituição que funciona a partir do apoio dos privados – empresas e famílias – mas que o Governo, através da Segurança Social, tem um papel decisivo”.

Recomendadas

O excesso de peso da mochila pode ser prejudicial à saúde do seu filho

É importante redobrar os cuidados e repensar nos materiais a levar para a escola, já que a mochila com peso tem um forte impacto na postura da criança.

Madeira: ACIF participa na quinta reunião transnacional do projeto BLUE-TEC

O projeto visa promover o crescimento inteligente do turismo náutico e costeiro da Macaronésia.

PSD/Açores disponível para novo modelo de financiamento dos bombeiros

O deputado regional social-democrata Luís Soares considerou necessário “saber como funcionam os mecanismos de acesso aos fundos comunitários, mantendo uma porta direta pelos bombeiros, em vez das candidaturas serem elegíveis somente através das câmaras municipais”.
Comentários