Governo retoma negociações com seis sindicatos. Greve dos professores prossegue em Beja (com áudio)

O primeiro encontro no Ministério da Educação está agendado para as 16h00 desta quarta-feira, com a FNE, seguindo-se, quatro horas mais tarde, cinco estruturas sindicais: SNPL + SIPEB + ASPL + SEPLEU + PRóORDEM.

Retomam esta quarta-feira, 18 de janeiro, as reuniões entre o Ministério da Educação e os sindicatos dos professores. O primeiro encontro está agendado para as 16h00 com a FNE, seguindo-se pelas 18h00 reuniões com cinco estruturas sindicais: SNPL + SIPEB + ASPL + SEPLEU + PRóORDEM.

Hoje, a greve dos professores tem como palco a cidade de Beja. Depois de Lisboa e Aveiro, a greve de 24 horas, a todo o serviço, com incidência distrital cumpre o seu terceiro dia esta quarta-feira no Baixo Alentejo. A partir das 10H30, os docentes em greve juntar-se-ão no centro da cidade.

O conjunto de 18 greves por distrito do continente foi convocado por um conjunto de oito organizações sindicais – ASPL, FENPROF, PRÓ-ORDEM, SEPLEU, SINAPE, SINDEP, SIPE e SPLIU – que vêm convergindo no desenvolvimento de diferentes ações de luta.

Ontem, na Praça Melo Freitas em Aveiro, Mário Nogueira, secretário-geral da Federação Nacional dos Professores, estimou que a adesão à greve naquele distrito “estará na ordem dos 90%”. De referir que esta foi também a adesão registada no dia anterior em Lisboa, segundo a FENPROF.

“A greve em cada distrito é uma oportunidade imperdível para os professores e educadores protestarem e mostrarem a determinação quanto às justas exigências que fazem, não só relativamente à revisão das regras de concursos e colocações, mas também a outras matérias que carecem de respostas urgentes, mas que continuam a ser desprezadas pelo governo”, explica o maior sindicato do sector.

Os professores exigem melhores condições de trabalho e salariais, o fim da precariedade, a progressão mais rápida na carreira, e protestam contra propostas do Governo para a revisão do regime de recrutamento e colocação, que está a ser negociada com os sindicatos do setor.

Respostas Rápidas. Luta dos professores endurece. Conheça as razões e o calendário das greves em curso e que vêm aí.

Recomendadas

Stop diz que Governo continua sem respostas para as reivindicações dos professores

O coordenado nacional do Sindicato de Todos os Profissionais da Educação (Stop) disse hoje que o Governo continua sem dar respostas às reivindicações dos professores, considerando a reunião de hoje desoladora.

Fenprof vai fazer queixa ao Ministério Público por alegado abuso de serviços mínimos

A Federação Nacional de Professores (Fenprof) anunciou hoje que vai apresentar queixa no Ministério Público contra diretores escolares que “estão a querer impor serviços mínimos a reuniões sindicais”.

Professores dizem que “não saiu coisa nenhuma” da reunião com ministério da Educação (com áudio)

Os sindicatos de professores consideraram que “praticamente não saiu coisa nenhuma” da reunião de hoje com responsáveis do Ministério da Educação, a quem acusam de querer chegar apenas a “acordozinhos”.
Comentários