PremiumGoverno tem 50 milhões para empresários vindos da Venezuela

Linha de crédito destina-se essencialmente a empresários que, regressados da Venezuela, queiram criar novos negócios ou adquirir empresas existentes. SGPM é a gestora da linha, em articulação com o IAPMEI e o Instituto de Desenvolvimento Empresarial.

Foi lançada esta sexta-feira a linha Regressar Venezuela, que disponibiliza uma linha de crédito de 50 milhões de euros aos empresários portugueses regressados da Venezuela e que pretendam criar novos negócios ou adquirir partes sociais de empresas existentes, adiantou ao Jornal Económico fonte oficial do Governo.

Os financiamentos podem ser contratados junto das oito instituições de crédito que aderiram a esta linha: Caixa Geral de Depósitos, BPI, Novo Banco, Caixa Central de Crédito Agrícola Mútuo, Montepio, BCP, Santander e Euro BIC.

Ao abrigo deste instrumento, refere ainda a mesma fonte, os empresários poderão aceder a um financiamento com um prazo de até oito anos, com um período de carência de capital de até dois anos e uma taxa de juro calculada pela soma da Euribor com um ‘spread’ máximo de 3,25%.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta semana

A semana arranca com os mercados a reagir aos resultados eleitorais em Itália. Esta segunda-feira, Christine Lagarde fala no Parlamento Europeu e, por cá, o Instituto Nacional de Estatística divulga as tábuas da mortalidade em Portugal, referentes ao período pandémico. Conheça a agenda da semana.

Cheque-família começa a ser pago a partir de 20 de outubro, anuncia Marques Mendes

No seu espaço habitual de comentário ao domingo no Jornal da Noite da Sic, Marques Mendes assegurou que este apoio, anunciado pelo Governo a 5 de setembro, vai começar a chegar às contas bancárias das famílias a partir do dia 20 do próximo mês.

Comissão Europeia diz que Portugal é “moderadamente inovador”

O país encontra-se no grupo dos países moderadamente inovadores, passando da 19ª para a 17ª posição entre os 27 Estados-Membros, segundo os dados da Comissão Europeia tornados públicos pela ANI (Agência Nacional de Inovação).
Comentários