Governo ucraniano diz precisar de apoio militar “constante” e não “pontual” dos países ocidentais

A Ucrânia precisa de apoio militar “constante” dos países ocidentais, não de ajuda “pontual”, até derrotar as forças de Moscovo, afirmou este domingo a vice-ministra da Defesa do país, Ganna Malyar.

A Ucrânia precisa de apoio militar “constante” dos países ocidentais, não de ajuda “pontual”, até derrotar as forças de Moscovo, afirmou este domingo a vice-ministra da Defesa do país, Ganna Malyar.

“Entrámos numa guerra prolongada e vamos precisar de apoio constante. O Ocidente tem de compreender que a sua ajuda não pode ser pontual, mas deve continuar até ganharmos”, afirmou Ganna Malyar aos meios de comunicação locais.

A Ucrânia aguarda a entrega de sistemas de mísseis mais avançados, prometidos pelo Presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e espera que essa remessa de novas armas altere o equilíbrio de forças contra a Rússia no leste do país.

Os Estados Unidos anunciaram na quarta-feira que iriam enviar à Ucrânia quatro sistemas Himars (lançadores múltiplos de rockets montados em veículos blindados ligeiros) e ainda mais 1.000 mísseis Javelin anti-tanque e quatro helicópteros Mi-17 como parte de um novo pacote de ajuda militar.

O subsecretário norte-americano da Defesa, Colin Kahl, informou que as forças ucranianas irão precisar de cerca de três semanas de treino para utilizar os Himars, lança-mísseis guiados de alta mobilidade, que podem dar aos ucranianos uma vantagem de distância e precisão na batalha pelo Donbass.

Vários países prestaram assistência militar à Ucrânia na sua defesa contra a invasão russa, iniciada em 24 de fevereiro, sempre com a ressalva de não se tornarem eles próprios beligerantes.

Os ataques russos atingiram Kiev ao amanhecer deste domingo, pela primeira vez desde finais de abril, e o Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou expandir os alvos, caso o Ocidente abasteça a Ucrânia com mísseis de longo alcance.

Na eventualidade de tais entregas, a Rússia atacará “locais até agora não visados”, afirmou Putin em declarações ao canal de televisão Rossiya-1, sem elaborar a que locais se referia.

Recomendadas

Lukashenko: “Principal perigo na Ucrânia é que nazismo se transforme em fascismo”

O presidente da Bielorrússia prevê que o “fascismo” tenha que ser “combatido na Alemanha, França, Inglaterra, Espanha”.

Biden dá primeiro passo para Congresso avaliar ampliação da NATO

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, começou hoje o processo para que o Congresso americano avalie a adesão à NATO da Finlândia e da Suécia.

Lukashenko acusa Kiev de disparar mísseis contra a Bielorrússia

O presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko, afirmou hoje que o seu exército intercetou mísseis disparados da Ucrânia que se dirigiam contra a Bielorrússia.
Comentários