Governo vai aprovar 30 milhões para a preparação olímpica e paralímpica

O Governo vai aprovar uma verba global de 30 milhões de euros (ME) para os programas de preparação olímpica e paralímpica para Paris2024, afirmou hoje a ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares.

À margem do fórum Football Talks, em Oeiras, Ana Catarina Mendes confirmou à Lusa o montante a aplicar nos ciclos olímpico e paralímpico até Paris2024, destacando um reforço de 20% face aos valores inicialmente previstos para Tóquio2020.

“É o maior reforço para a preparação olímpica. Uma verba global de 30 milhões de euros para as preparações olímpica e paralímpica. Um aumento de 20% da verba, proporcional e na sequência do que foram discutidos com os respetivos comités”, assegurou a governante, em declarações à agência Lusa, sem detalhar os montantes atribuídos a cada uma das vertentes.

O programa de preparação olímpica para Tóquio2020 custou aproximadamente 18,5 ME – que foram reforçados em quatro ME face ao adiamento devido à pandemia de covid-19 -, enquanto a vertente paralímpica recebeu 6,9 – também aumentados em 1,2 ME pelo prolongamento do ciclo.

Os valores aplicados nos últimos Jogos, num total de aproximadamente 30,6 ME — num ciclo olímpico atípico e alargado para cinco anos –, já corresponderam a aumentos significativos face aos do Rio2016, quando foram empregues 16 ME na preparação olímpica e 3,8 na paralímpica.

“Mais do que sanar qualquer possível contestação, o mais importante é que o Estado português está comprometido com a participação dos nossos atletas nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos. O nosso objetivo é criar as condições para que possam participar da melhor forma possível e, por isso, o que vai a Conselho de Ministros na próxima quinta-feira é uma verba de cerca de 30 ME, na globalidade, para olímpicos e paralímpicos”, sublinhou Ana Catarina Mendes, relativamente ao presente ciclo olímpico, desta feita encurtado para três anos.

Presente no encerramento do Football Talks, a responsável pela tutela do Desporto no Governo português, além de ter destacado “o maior aumento de sempre à preparação olímpica e paralímpica”, reiterou o apoio à candidatura ibérica à organização do Mundial2030.

“É dos nossos maiores objetivos e tem um impacto transformador, achamos mesmo que vai ser esse o palco do Mundial”, vincou, durante o seu discurso, Ana Catarina Mendes.

A governante terminou ainda com outras prioridades do Governo liderado por António Costa, nomeadamente o combate à violência no desporto, através da criminalização do uso e posse de pirotécnica e do apoio ilegal a grupos organizados de adeptos, e à manipulação de resultados desportivos e da alteração ao regime jurídico das sociedades desportivas.

O Football Talks decorreu hoje e na segunda-feira, depois de debater os cinco pilares estratégicos identificados no Plano Futebol 2030 da FPF: Infância e Crescimento, Futebol para Todos e Todas, Qualidade do Jogo, Envolvimento e Sustentabilidade do Ecossistema.

Recomendadas

Vieira diz que divulgação de emails foi “estratégia do FC Porto para manchar nome do Benfica”

O antigo presidente do Benfica Luís Filipe Vieira afirmou hoje em tribunal que a divulgação de emails sobre o clube no Porto Canal foi “uma estratégia do FC Porto para manchar o nome” do clube lisboeta.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

“Jogo Económico”. “Não acredito que vamos banir a violência no futebol”, defende especialista

Vêm aí novas leis destinadas ao combate da violência no desporto e nesta edição, vamos conhecer ao detalhe as medidas que estão a ser preparadas para o Governo e perceber se se adequam à realidade do fenómeno em Portugal. Daniel Seabra, antropólogo e professor universitário com obra publicada sobre o fenómeno das claques em Portugal, foi o convidado da última edição do “Jogo Económico”.
Comentários