Governo vai avaliar a situação da associação Raríssimas e agir em conformidade

O Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social vai “avaliar a situação” da Raríssimas e “agir em conformidade”, após a denúncia de alegadas irregularidades na gestão financeira e de uso indevido de dinheiros da associação pela sua presidente.

O Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social vai “avaliar a situação” da Raríssimas e “agir em conformidade”, após a denúncia de alegadas irregularidades na gestão financeira e de uso indevido de dinheiros da associação pela sua presidente.

“Depois da peça transmitida pela TVI no passado sábado a propósito da Instituição Raríssimas, e tendo em conta os factos relatados, o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, dentro das suas competências, irá avaliar a situação e agir em conformidade, tendo sempre em conta, e em primeiro lugar, o superior interesse dos beneficiários desta instituição”, diz o ministério, em comunicado hoje divulgado.

O canal televisivo TVI divulgou no sábado uma reportagem sobre a gestão da associação Raríssimas – Associação Nacional de Doenças Mentais e Raras, financiada por subsídios do Estado e donativos. A investigação mostra documentos que colocam em causa a gestão da instituição de solidariedade social, nomeadamente da sua presidente, Paula Brito e Costa, que alegadamente terá usado o dinheiro em “compra de vestidos de alta-costura e gastos pessoais”.

O caso, diz a TVI, está já a ser investigado pela Polícia Judiciária.

Recomendadas

Iniciativa Liberal. Rui Rocha apresenta lista com “representação territorial alargada”

O candidato à liderança da Iniciativa Liberal Rui Rocha apresenta uma lista à comissão executiva com “representação territorial alargada” e novos pelouros, entre os quais os dedicados à política europeia e regional com vista à preparação das próximas eleições.

Integrar serviços na CCDR “é o primeiro passo para desarticulação total”

O secretário-geral do PCP considerou este domingo que a anunciada intenção do Governo de passar as competências dos serviços do Estado para as Comissões de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) “é o primeiro passo para a desarticulação total”.

Chega/Açores vai propor fim da taxa turística no parlamento regional

O líder do Chega/Açores, José Pacheco, anunciou este domingo que o partido vai avançar no parlamento dos Açores com uma iniciativa legislativa que visa a revogação da taxa turística na região.
Comentários