Governo vai avaliar “barragem a barragem” venda anunciada da EDP

“A venda está carente de uma autorização do Estado. Não entrou ainda um pedido para essa autorização. Quando entrar, será avaliada, mas não em pacote. Será avaliada barragem a barragem”, revelou João Pedro Matos Fernandes à margem de uma cerimónia a assinalar os 70 milhões de passageiros da Metro do Porto.

Cristina Bernardo

O ministro do Ambiente e da Ação Climática afirmou hoje que vai avaliar “barragem a barragem” a venda das seis infraestruturas anunciada pela EDP e em relação à qual o Estado “ainda não recebeu” o necessário pedido de autorização.

“A venda [das seis barragens, anunciada por 2,2 mil milhões de euros] está carente de uma autorização do Estado. Não entrou ainda um pedido para essa autorização. Quando entrar, será avaliada, mas não em pacote. Será avaliada barragem a barragem”, revelou João Pedro Matos Fernandes à margem de uma cerimónia a assinalar os 70 milhões de passageiros da Metro do Porto.

O presidente executivo da EDP, António Mexia, afirmou na quinta-feira que o Governo ainda não aprovou a venda de seis barragens da EDP, dizendo estar confiante que a operação reúne os requisitos para receber ‘luz verde’.

“O Governo português, através dos órgãos competentes, tem de autorizar o negócio. Essa transação depende de autorizações regulatórias. Estamos confiantes porque, normalmente, é posta em causa a credibilidade técnica […] e também financeira do comprador, que, [neste caso], é inquestionável”, afirmou António Mexia, em conferência de imprensa, em Lisboa.

A EDP anunciou naquele dia que vendeu seis barragens em Portugal a um consórcio de investidores, formado pela Engie, Crédit Agricole Assurances e Mirova, por 2,2 mil milhões de euros.

“A EDP – Energias de Portugal, S.A. acordou a venda de um portefólio de seis centrais hídricas em Portugal ao consórcio de investidores formado pela Engie (participação de 40%), Crédit Agricole Assurances (35%) e Mirova – Grupo Natixis (25%), numa transação de 2,2 mil milhões de euros”, lê-se no comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

Relacionadas

Venda das barragens “vai fortalecer perfil financeiro da EDP”, prevê Moody’s

“A alienação prevista deve permitir à EDP reforçar o seu perfil financeiro e demonstrar, em 2020, rácios mais estreitamente alinhados com as orientações para a atual classificação Baa3”, explica a agência de notação financeira norte-americana.

EDP garante que não haverá despedimentos nas seis barragens vendidas

A companhia emprega 50 trabalhadores nestas seis barragens localizadas na bacia do Douro.

Mexia diz que venda de seis barragens “mostra que a EDP está a reduzir o risco”

“Para isto contribui não só donde saímos, mas também onde entramos. E onde é que entramos? Foi no solar, foi na Colômbia, foi nos vários contratos que ganhamos na energia renovável no Estados Unidos em outubro de mais de 1.000 megawatts”, sublinhou o CEO da energética.
Recomendadas

SAD do Sp. Braga com resultado positivo de 3,1 milhões de euros na época passada

Relativamente ao exercício financeiro que terminou a 30 de junho deste ano, que ainda não refletem a venda do passe futebolístico do defesa central David Carmo (transferência fechada para o FC Porto na ordem dos 20 milhões de euros), a SAD dos bracarenses destaca que este foi um período “pautado por múltiplos constrangimentos associados à pandemia”.

Sonaecom rasga acordo com Isabel dos Santos

“À Sonae passa a ser imputada uma participação na NOS de cerca de 36,8% do capital social e dos direitos de voto nessa sociedade”, detalha a empresa liderada por Cláudia Azevedo.

Toyota Caetano Portugal com lucros de 7,3 milhões no semestre

Em comunicado à CMVM, a Toyota Caetano Portugal diz que os resultados líquidos consolidados ascenderam a 7,3 milhões de euros, o que compara com 11,7 milhões em dezembro de 2021 e com 2,98 milhões em junho de 2021.
Comentários