GRACE. Juntos para promover a responsabilidade social corporativa

O Grace é um grupo pioneiro, sem fins lucrativos, fundado em fevereiro de 2000 com o objetivo de se dedicar à promoção da Responsabilidade Social Corporativa


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O GRACE tem 15 anos. Já organizou 10 edições do GIRO, o dia do voluntariado empresarial. Em 2016 vai dar continuidade aos projetos em curso. A prioridade é promover iniciativas de reflexão e ação coletivas sobre novos temas ligados à Responsabilidade Social Corporativa e Sustentabilidade. Para além do envolvimento com a sociedade civil e com o tecido empresarial português, pretende também incrementar o número de associados.

O GRACE é o acrónimo de Grupo de Reflexão e Apoio à Cidadania Empresarial. Esta é uma associação pioneira, sem fins lucrativos, fundada em fevereiro de 2000 com o objetivo de se dedicar à promoção da Responsabilidade Social Corporativa.
Atualmente, o GRACE reúne 136 empresas, das mais variadas dimensões e setores de atividade, empenhadas em aprofundar o seu papel no desenvolvimento social das pessoas e das organizações, partilhando a missão há muito assumida: refletir, promover e desenvolver a responsabilidade social corporativa em Portugal.

Paula Guimarães é a atual presidente do GRACE, em representação da Fundação Montepio. A presidente está satisfeita com o contínuo incremento do número de associados da organização que, só este ano, soma 25 novos associados. É uma situação que “reflete o interesse das empresas portuguesas pelo tema da responsabilidade social”.

Quantos associados tem o GRACE e qual o perfil global desses associados?  

O GRACE termina o ano de 2015 com uma bandeira de 136 associados. São 59 grandes empresas, 63 Pequenas e Médias Empresas (PME), 11 microempresas e três empresas municipais, abrangendo vários setores e áreas de negócio.

Só este ano contam com 25 novos associados. Este crescimento poderá significar que – apesar ou como consequência da crise económica e financeira – as empresas estão a tomar consciência do papel que podem efetivamente ter rumo a uma sociedade mais justa?

As empresas associadas do GRACE estão empenhadas em ser cada vez mais socialmente responsáveis, não só como consequência da realidade que as rodeia mas também por terem uma maior consciência do papel fundamental que podem e devem ter na criação de valor partilhado e na coesão social.

Quais são as iniciativas promovidas pelo GRACE que mais se destacam?

O GIRO é a grande iniciativa do GRACE, porém destaco um projeto que teve uma resposta muito positiva por parte dos associados, intitulado Novos Líderes para a Cidadania Empresarial, no qual disponibilizámos aos colaboradores das empresas iniciativas formativas, em áreas relacionadas com a responsabilidade social. Estamos a preparar o lançamento de uma carta com 10 princípios e a segunda edição desta iniciativa acontecerá em 2016.

Destaco igualmente os grupos de trabalho que lançámos este ano, que têm como objetivo a publicação de fichas setoriais sobre desafios e oportunidades da Responsabilidade Social Corportativa em setores específicos.

Neste momento, decorrem grupos de trabalhos com associados nas áreas da banca, transportes e sociedades de advogados.

Para 2016, serão abrangidas mais áreas de negócio de acordo com a bandeira de associados.

Qual tem sido a evolução de projetos como a Uni.Network?

A evolução do Uni.Network tem sido extremamente positiva. Contamos atualmente com 18 instituições de ensino superior protocoladas e foram 15 os associados que partilharam as suas experiências e conhecimento com os alunos do ensino superior.

E como está a desenvolver-se o projeto “como mobilizar as empresas para projetos sociais”?

Relativamente ao projeto “Como mobilizar as empresas para projetos sociais?”, até ao momento foi dada formação a 53 organizações de Economia Social em cinco bairros e zonas de intervenção prioritária da Grande Lisboa. É um dos objetivos do GRACE promover o processo inverso, ou seja, dar formação às empresas sobre como identificar e estabelecer parcerias com projetos sociais.

No próximo ano, quais serão os principais projetos do GRACE?

Em 2016, o GRACE irá manter as linhas de orientação estratégicas para o triénio 2015-2017, assumidas no início deste ano. Seguiremos com os projetos em curso, apoiando os nossos associados e promovendo iniciativas de reflexão e ação colectivas sobre novos temas ligados à Responsabilidade Social Corporativa e Sustentabilidade.

Pretendemos aumentar a bandeira de associados no território nacional, para alcançar uma representação global do tecido empresarial português e fortalecer a ligação entre associados, setores e stakeholders.

Continuaremos atentos às tendências europeias, contribuindo ativamente na definição e desenvolvimento de estratégias e políticas de Responsabilidade Social Corporativa. Iremos alargar a nossa rede de parcerias com entidades congéneres e com estruturas da economia social, fomentando a inclusão social dos grupos mais vulneráveis.

O GRACE foi uma das primeiras organizações a aderir à Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR). Porquê?

A causa dos refugiados é uma causa de valores e um dos maiores desafios que se colocam à Europa no século XXI.
Consideramos que o setor empresarial tem uma palavra e um contributo a dar ao nível da empregabilidade, do desenvolvimento de competências e da integração cultural das pessoas que fogem dos teatros de guerra.

Pela nossa parte estamos a colaborar nas várias frentes e aguardamos com expectativa a chegada dos refugiados que, como sabe, vai tardando.

Nesta época de advento e Natal, a que tipo de iniciativas de voluntariado estão as empresas a aderir ou a promover?

O GRACE não organiza nenhuma ação específica no Natal e tentamos que haja uma prática constante e ao longo do ano. Sabemos, no entanto, que muitas empresas associadas do GRACE estão, nesta altura do ano, a proceder à recolha de bens para entrega em Instituições de Economia Social e participam em ações da Comunidade Vida e Paz e Serve the City.

O que é o GIRO e qual é o balanço que faz da edição deste ano do GIRO?
O GIRO é a iniciativa de voluntariado corporativo com maior dimensão nacional que, em dez edições, contou com mais de 5900 voluntários e mais de 19 mil beneficiários.

Através desta iniciativa, as empresas associadas trocam o seu local de trabalho por um dia de voluntariado, normalmente uma sexta-feira em outubro, em prol da comunidade envolvente.

As áreas de intervenção são diversas e abrangem a requalificação de espaços e apoio a comunidades em risco; preservação do ambiente, inclusão de pessoas com deficiência, defesa dos animais e voluntariado de competências.

A décima edição do GIRO, que aconteceu em 2015, envolveu 55 empresas associadas, mais de 900 voluntários e 21 instituições parceiras.

No dia 2 de outubro decorreram ações de caráter ambiental e cívico em cinco localidades do país. No dia 9 de outubro o GRACE promoveu o GIRO Acessível, uma ação cívica inovadora de educação para a mobilidade e inclusão, na qual os voluntários integraram as Brigadas GIRO, participando numa missão de reconhecimento, por 18 Freguesias da cidade de Lisboa, para a identificação de pontos positivos e de melhoria nas acessibilidades.

Dessa ação resultou um Relatório, disponibilizado no site oficial do GRACE e entregue à Câmara Municipal de Lisboa.

Por Mafalda Simões Monteiro/OJE

Recomendadas

Albergaria investe 3,7 milhões de euros na zona industrial para captar investimento e criar emprego

O município “tem realizado um forte investimento no desenvolvimento económico, dinamizando o sector empresarial e a economia local” nos últimos anos, segundo António Loureiro, Presidente da Câmara Municipal de Albergaria-a-Velha.

SIC: Alargamento da dedução dos juros da habitação em sede de IRS poderá abranger mais de 660 mil famílias

Segundo a SIC Notícias, se a medida for incluída no Orçamento do próximo ano, como se espera, poderá abranger mais de 660 mil famílias. 

Escalões do IRS deverão subir entre 3,53% e 4,43%

Para já, pouco se sabe em relação ao Orçamento de Estado do próximo ano. O Governo esteve reunido ontem para aprovar a proposta em Conselho de Ministros extraordinário e o ministro das Finanças tem reuniões marcadas com os partidos com assento parlamentar na sexta-feira.