“A Grande Guerra pela Civilização”

A sugestão de leitura desta semana da livraria Palavra de Viajante.

Marta Teives

O britânico Robert Fisk é uma referência do jornalismo nas últimas décadas. Sediado em Beirute, é hoje correspondente para o Médio Oriente do jornal The Independent – função que desempenhou ao longo de 18 anos no londrino The Times até que, em 1988, uma reportagem sua sobre a verdadeira história de um avião comercial iraniano abatido por um navio dos EUA foi censurada pelo editor.

Nos mais de 40 anos que leva de vida no mundo árabe, cobriu cinco invasões israelitas ao Líbano, a guerra entre o Irão e o Iraque, a invasão soviética no Afeganistão, a de Saddam Hussein no Kuwait, as guerras da Bósnia e do Kosovo, a invasão e ocupação norte-americana do Iraque e as revoluções árabes de 2011. Conseguiu três entrevistas com Osama Bin Laden – que mostrou interesse em recrutar o jornalista –, a primeira vez no Sudão e as outras duas no Afeganistão, e falou com Saddam e com o líder iraniano Khomeini.

O seu trabalho insere-se, de certa forma, na linha do polaco Ryszard Kapuscinski e não será exagero dizer que é, provavelmente, o jornalista ocidental que melhor conhece o Médio Oriente. Mas os seus esforços para tentar explicar e compreender a perspetiva dos muçulmanos têm-lhe granjeado numerosos inimigos e o ódio de muitos ocidentais. Os críticos do seu trabalho acusam-no de não ser objetivo nem imparcial. Mas Fisk não é nenhuma destas coisas. É, aliás, o primeiro a admiti-lo, recordando que “a guerra representa o falhanço total do espírito humano”.

 

capa_robert-fisk

 

Sempre muito crítico das intervenções e interesses ocultos do ocidente no Médio Oriente, considera que os problemas nesta zona do globo são consequência direta da Primeira Guerra Mundial. Sobre a atualidade, afirma que há muitas verdades que não são conhecidas sobre a situação em Alepo e a guerra na Síria, e que não será Donald Trump a marcar o futuro próximo na região, mas sim Vladimir Putin.

Em “A Grande Guerra pela Civilização”, publicado originalmente em 2005, Robert Fisk retrata os diversos conflitos no Médio Oriente, aqui entendido em sentido lato, pois os relatos do autor vão desde a invasão soviética do Afeganistão em 1980, até à guerra da Argélia. Em descrições por vezes cruas, de grande realismo – afinal, trata-se de relatar o horror, a dor e a injustiça –, Fisk narra a violência dos combates, as lutas sem quartel e o cinismo das decisões. Os erros do passado voltam a ser repetidos, a vida das populações civis vale muito pouco ou nada, os interesses económicos continuam a falar mais alto.

“A Grande Guerra pela Civilização – A Conquista do Médio Oriente” é editado em Portugal pelas Edições 70.

Recomendadas

Exposição no Museu da Marinha celebra a amizade entre Alberto I do Mónaco e Dom Carlos I

No âmbito das comemorações do centenário do desaparecimento do Príncipe Alberto I do Mónaco, o Museu de Marinha de Lisboa irá acolher uma exposição organizada pelo Comité Albert Ier – 2022. Estará patente ao público a partir de dia 15. A inauguração, na véspera, conta com a presença do atual Príncipe do Mónaco, Alberto II.

“Trair e Coçar é só começar” vai ter dois ensaios solidários

O público português tem a oportunidade de assistir aos últimos ensaios antes da grande estreia e apoiar, assim, duas associações de solidariedade.

PremiumPara saudar o regresso de um majestoso Jaen

Serve este texto para saudar a aposta de um produtor do Dão, a Caminhos Cruzados, integrada há cerca de dois anos no grupo da Quinta da Pacheca (no Douro), na comercialização de um monovarietal de uma das castas mais singulares que se produzem em Portugal: a Jaen (Mencia, em Espanha). Há quem diga que em relação à Jaen, ou se ama ou se detesta.
Comentários