Grandes obras contratadas para 2022 são metade das de 2020

O maior contratado celebrado no ano passado foi a segunda fase do Hospital Central e Universitário da Madeira, que se focou nas estruturas e espaços exteriores. A obra foi adjudicada por 74,7 milhões de euros.

As obras públicas contratadas em 2022 atingiram 553 milhões de euros, menos 14% dos contratos celebrados no ano anterior e menos de metade do investimento contratado para 2020, quando os contratos atingiram 1,1 mil milhões de euros, revela o “Jornal de Negócios”.

No ano passado, foram fechados 27 contratos de obras públicas acima dos dez milhões de euros. No entanto, estas obras apresentaram menor dimensão do que aquelas contratadas nos dois anos anteriores. A publicação adianta que o maior contrato do ano passado (segunda fase do novo hospital da Madeira) foi de 74,7 milhões de euros, enquanto em 2021 o maior contrato atingiu os 132,9 milhões de euros (construção dos túneis de drenagem de Lisboa) e em 2020 a construção da linha rosa do Metro do Porto, num valor de 189 milhões de euros.

O “Negócios” aponta que quatro contratos foram celebrados por ajuste direto, três por concurso limitado por prévia qualificação e 20 por concurso público. A publicação adianta ainda que a Infraestruturas de Portugal foi a entidade que mais celebrou contratos acima dos dez milhões, nomeadamente a empreitada de via e catenária da linha de Cascais.

Recomendadas

Governo diz que concurso internacional para SIRESP permitiu economizar 30% da despesa prevista

As empresas vencedoras do concurso público internacional foram a Motorola, NOS, OMTEL, No Limits, Moreme e Altice Labs.

“Valorização dos salários é crítica”, reconhece ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social

Ana Mendes Godinho garante que o governo continuará a implementar medidas suplementares para a valorização do salário e, nesse sentido, anunciou que já em março vai ser lançada uma iniciativa dirigida às empresas que contratem jovens com contratos permanentes e um valor mínimo de 1.320 euros de vencimento. As empresas serão apoiadas pelo Estado no pagamento desse vencimento.

Descida da inflação permite corte de 2,5% em Angola

A consultora Oxford Economics Africa considerou este sábado que a descida da inflação para 12,2% durante este ano dará espaço ao banco central de Angola para descer a taxa de juro para 250 pontos base.
Comentários