Grandes questões para 2019: o risco da extrema-direita em Portugal, a onda de greves e a guerra comercial

Os movimentos de extrema-direita têm vindo a ganhar terreno por toda a Europa, mas o fenómeno ainda não se faz sentir em Portugal.

Por cá, os partidos de extrema-direita ainda não conseguiram entrar no Parlamento, como aconteceu, por exemplo, na Alemanha, Itália, ou mais recentemente, na Andaluzia. De igual forma, as forças de extrema-direita ainda não fazem parte dos partidos que reúnem um maior número de apoiantes, nem são a principal voz da oposição ao Governo, como acontece em França, Finlândia ou Dinamarca. No entanto, o Relatório Anual de Segurança Interna de 2017, divulgado em abril, veio alertar que a extrema-direita portuguesa se tem vindo a reorganizar e a conquistar novas franjas da sociedade. Estas organizações são facilmente identificáveis pelo seu discurso anti-imigração, anti-muçulmano e pelo euroceticismo. O seu crescimento é explicado pela crise migratória e financeira que assolou a Europa nos últimos anos e pela aparente incapacidade dos Governos europeus em lhe dar resposta. O relatório das secretas indica que os radicais de direita intensificaram os contactos internacionais e continuam a lutar pela “reconquista da Europa pelos europeus”. A Nova Ordem Social, Nova Portugalidade, Lisboa Nossa, Escudo Identitário e Portugueses Primeiro são algumas das organizações que se têm destacado no panorama nacional, mas o seu peso político é ainda pouco percetível. As eleições legislativas agendadas para o próximo ano podem vir a ser o primeiro teste à capacidade destes movimentos, não estando, no entanto, previstas grandes mexidas no espetro político atual, onde os partidos do “arco da governação” continuam a ter uma posição dominante.

As greves vão continuar a ser uma dor de cabeça para o Governo?

Sim, vão. De facto, 2019 perspetiva-se um ano de conflitualidade laboral intensa. Não só porque se mantêm os problemas que levaram, já, em 2018, trabalhadores de mais de 20 setores a paralisar a atividade, mas também porque estamos em ano de eleições (Parlamento Europeu a 26 de maio e legislativas a 6 de outubro) e os partidos que suportam o governo Socialista  – PCP e Bloco de Esquerda – têm necessidade de se distanciar para capitalizar nas urnas o descontentamento dos trabalhadores.

Os professores estão na primeira linha da luta contra o governo. Só pararão quando tiverem contados como tempo de serviço os nove anos, quatro meses e dois dias que estiveram congelados. Para o terceiro dia do novo ano, o maior sindicato do setor, a FENPROF, afeta à CGTP, tem marcada uma concentração à porta do Ministério da Educação, num ano que o seu Conselho Nacional proclamou como o ano de luta dos professores.

Os estivadores são outra dor de cabeça para o governo, como se viu este mês. Uma greve, como ficou demonstrado em Setúbal, é uma ameaça direta à Autoeuropa, que o mesmo será dizer a mais de 1% do PIB português.

Em ebulição continuam o setor dos transportes públicos, com destaque para os maquinistas da CP, e os enfermeiros com greves já anunciadas para o período que vai de 7 de janeiro a 20 de fevereiro. Os funcionários do Registo e Notariado, os funcionários do SEF, os guardas prisionais e os juízes, entre outros, também mantêm erguido o machado de guerra.

O Primeiro-ministro, António Costa, assobia para o ar e diz que não há razões para alarme social, mas a ministra da Saúde, Marta Temido, já admitiu usar “todos os instrumentos que, num estado de Direito, permitem que os cidadãos não fiquem reféns de reivindicações profissionais”.

O recurso à requisição civil  também parece pairar em algum momento de 2019 caso se venha a aprofundar o conflito em áreas tão sensíveis como a saúde (enfermeiros) ou os portos.

Guerra comercial: trégua ou escalada?

Em teoria, ninguém sai a ganhar numa guerra comercial. Mas isso não impediu o presidente norte-americano Donald Trump de começar uma, precisamente com um dos seus maiores parceiros comerciais: a China. Trump não recuou nem perante o coro de queixas que surgiram de todo o lado, nomeadamente da União Europeia – que chegou mesmo a acionar os mecanismos internos da Organização Mundial do Comércio (OMC) para formalizar essas queixas. E também não recuou quando o FMI, insuspeito de ter uma qualquer reticência face à Casa Branca, alertou para a evidência de que seriam os próprios Estados Unidos os primeiros a sentir as consequências perniciosas dos efeitos colaterais da guerra comercial.

Mas nem o próprio Donald Trump conseguiu ficar indiferente à notícia de que a General Motors, um dos maiores construtores norte-americanos de automóveis vai ter de fechar duas das suas empresas de montagem e duas unidades de produção de motores nos Estados Unidos e uma no Canadá, a que acrescentará o encerramento de duas outras fábricas não identificadas noutros países.

O presidente norte-americano apressou-se a reprovar a decisão – tendo mesmo chegado a chamar anti-patriotas aos seus gestores. Mas acabou por promover contactos com a China para se iniciarem conversações com vista à normalização das relações económicas. É que, por outro lado, Trump tem pela frente um ano difícil – durante o qual a economia norte-americana deverá começar a arrefecer, o que poderá fazer desaparecer essa espécie de ‘milagre económico’ que sustentou a sua imagem interna nesta primeira parte do seu mandato.

É por isso de esperar que a guerra comercial venha a abrandar nos próximos meses – até porque os preços das matérias-primas têm um impacto bem mais imediato e generalizado na economia real dos Estados Unidos que os ‘desconhecidos’ défices gémeos (orçamental e da balança corrente externa).

Artigo publicado na edição semanal do Jornal Económico de 28 de dezembro de 2018. Para ter acesso em primeira mão a todos os nossos conteúdos premium, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários