Grécia admite estrear programa cautelar

A Grécia não fecha a porta a uma linha de crédito cautelar em caso de saída antecipada do programa de assistência financeira, declarou o primeiro-ministro grego, Antonis Samaras, em Milão. Uma linha de crédito “que proteja o país de eventuais perturbações nos mercados, num momento em que a economia mundial mostra sinais de abrandar, faz […]

A Grécia não fecha a porta a uma linha de crédito cautelar em caso de saída antecipada do programa de assistência financeira, declarou o primeiro-ministro grego, Antonis Samaras, em Milão.

Uma linha de crédito “que proteja o país de eventuais perturbações nos mercados, num momento em que a economia mundial mostra sinais de abrandar, faz parte de negociações”, com os parceiros da Grécia, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional (FMI), disse Samaras, reafirmando que o país não necessita de um novo resgate.

As declarações de Samaras surgem depois de nos últimos dias se ter registado alguma agitação nos mercados, com perdas na bolsa de Atenas e os juros das obrigações gregas a 10 anos a subirem, mas a registarem hoje uma descida.

Recentemente, Atenas tem dado a entender que após o fim do programa de ajuda europeia, no final deste ano, pode antecipar também a saída do programa do FMI, que só deveria terminar em 2016.

“As negociações neste momento são sobre a forma de o país avançar de maneira segura (…) na era pós-memorando”, referiu Samaras.

Num clima de incerteza política na Grécia e com a eventualidade de eleições antecipadas no início de 2015, que podem ditar a vitória do Syriza (partido de esquerda radical que se opõe à austeridade), o primeiro-ministro reiterou a necessidade de “estabilidade política e de desenvolvimento”.

A Grécia está sob assistência financeira desde 2010, com dois empréstimos no valor total de 240 mil milhões de euros concedidos em troca de duras medidas de austeridade acordadas com a ‘troika’ de credores (FMI, Comissão Europeia e Banco Central Europeu).

Recomendadas

Portugal atrativo para investir, China atenta a transportes e ambiente, revela relatório

Portugal é um país atrativo para se investir no desenvolvimento de infraestruturas e a China está atenta a projetos e eventuais contratos na área dos transportes e do ambiente, segundo um relatório hoje divulgado em Macau.

Taxa de emprego na UE cresceu 0,3 pontos percentuais no segundo trimestre

Portugal foi um dos poucos Estados-membros onde a taxa reduziu, neste caso 0,1 p.p., face ao primeiro trimestre, de acordo com os dados divulgados pelo Eurostat.

Portugal acompanhado por 14 países da UE a reclamar teto para preço do gás

Quinze Estados-membros, entre os quais Portugal, subscreveram a carta conjunta enviada na terça-feira à Comissão Europeia a reclamar um teto para o preço do gás importado, matéria que deverá ser discutida no Conselho extraordinário de Energia de sexta-feira.