Grécia. Parlamento europeu apoia fundos extraordinários

O Parlamento Europeu (PE) apoiou a atribuição de 35 mil milhões de euros para a Grécia, um valor que inclui 20 mil milhões de fundos para investimento estrutural e 15 mil milhões para aplicação na área agrícola. Seguindo a recomendação do Comité do Desenvolvimento Regional do PE e da Comissão Europeia, os eurodeputados aprovaram a […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O Parlamento Europeu (PE) apoiou a atribuição de 35 mil milhões de euros para a Grécia, um valor que inclui 20 mil milhões de fundos para investimento estrutural e 15 mil milhões para aplicação na área agrícola.

Seguindo a recomendação do Comité do Desenvolvimento Regional do PE e da Comissão Europeia, os eurodeputados aprovaram a inscrição urgente da verba para a Grécia no orçamento comunitário de 2014-2020 por 586 votos a favor, 87 contra e 21 abstenções.

Esta luz verde deverá levar à “rápida adoção das medidas pelo Conselho Europeu e a sua imediata entrada em vigor”, segundo o PE.

Estas medidas pretendem ajudar a Grécia a utilizar o dinheiro disponível da programação 2007-2013 antes que o prazo se esgote, em 2017, e para que o país consiga preencher todos os requisitos para aceder aos fundos inscritos no período 2014-2020. Assim, projetos iniciados deverão ser finalizados com financiamento total da UE.

O pagamento de cerca de 500 milhões de euros deverá acontecer assim que se adote a legislação, enquanto outros 800 milhões deverão chegar à Grécia antes de 2017.

“Estas medidas extraordinárias são neutras para o orçamento da União Europeia” porque serão implementadas à luz dos compromissos acordados com a Grécia para a atual programação de fundos.

O PE concordou com um aumento de 07% no nível de financiamento inicial para os programas de política de coesão e garantiu que estas medidas se justificam com a “situação única” da Grécia, onde a “crise financeira conduziu a um crescimento negativo e a graves problemas de liquidez”.

“Os recursos públicos são escassos, em particular, para os tão necessários investimentos para impulsionar o crescimento e a criação de emprego”, lê-se num comunicado do PE.

OJE

Recomendadas

PremiumEUA e zona euro vão ter uma “aterragem dura” na pista da recessão no próximo ano

A subida das taxas de juro para controlar a inflação vai ter forte impacto na economia em 2023. Alemanha afunda acima da média, com China a crescer acima do previsto.

Premium“Para quem não tenha notado, a Rússia vai ficar ali” e a segurança da Europa passa por lá

As palavras do presidente francês cairam mal na invadida Ucrânia e nos longínquos EUA. Entretanto, ninguém sabe quais serão as consequências da decisão sobre petróleo russo.

PremiumPaíses ocidentais com fortes reservas face à coligação em Israel

A colocação de um extremista, racista e adepto da violência na direção do ministério que trata da segurança interna do país é considerado um desastre em potencial. A não ser que Netanyahu queira fazer com Itamar Ben-Gvir o mesmo que fez há uns anos com Ben Gantz.