Grécia: sem reformas não haverá saída limpa

O presidente do grupo de trabalho do Eurogrupo, Thomas Wieser, disse acreditar que a saída da Grécia do programa de ajuda externa não será igual à de Portugal ou Irlanda, devido à manutenção de certas condições. O fim do programa de ajustamento grego está previsto para final deste ano, mas Wieser considerou que “haverá um […]

O presidente do grupo de trabalho do Eurogrupo, Thomas Wieser, disse acreditar que a saída da Grécia do programa de ajuda externa não será igual à de Portugal ou Irlanda, devido à manutenção de certas condições.

O fim do programa de ajustamento grego está previsto para final deste ano, mas Wieser considerou que “haverá um programa e algum tipo de relação contratual entre as instituições e a Grécia”, de acordo com a agência de informação financeira Bloomberg.

O presidente do grupo de trabalho acrescentou que o programa de reformas da Grécia permite que este não venha a ser tão intensivo como é agora, mas não irá “desaparecer como o da Irlanda ou o de Portugal”.

A “volatilidade [do mercado] nas últimas semanas mostrou que a sua perceção não é estável”, pelo que “o trabalho irá continuar” para que a Grécia tenha o acesso total ao mercado, acrescentou Thomas Wieser.

Recomendadas

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.