Economia, dívida e corrupção são prioridades de Tsipras

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, anunciou que a recuperação da economia, a redução da dívida e o combate à corrupção constituem os principais objetivos do seu Governo para os próximos quatros anos. Ao apresentar no parlamento helénico o programa do seu segundo executivo após a vitória por maioria relativa nas legislativas de 20 de setembro […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, anunciou que a recuperação da economia, a redução da dívida e o combate à corrupção constituem os principais objetivos do seu Governo para os próximos quatros anos.

Ao apresentar no parlamento helénico o programa do seu segundo executivo após a vitória por maioria relativa nas legislativas de 20 de setembro do partido da esquerda Syriza, a segunda desde janeiro, Tsipras reconheceu que se inicia um período “difícil” mas em simultâneo “prometedor”, no qual o Governo não apenas deverá aplicar o terceiro acordo de resgate para libertar o país “da supervisão [dos credores internacionais] mas também alterar as coisas para regressar ao crescimento”.

Sublinhou ainda que “apesar de todas as dificuldades é possível alcançar esse objetivo” durante o seu mandato, para que no final o país “tenha deixado para trás a recessão e os memorandos”.

De acordo com o primeiro-ministro grego, um aspeto importante do novo resgate reside na garantia de um quadro financeiro para impulsionar o crescimento e assente em fundos comunitários de 20 mil milhões de euros que permitirão o início de um crescimento económico sustentado.

Tsipras comprometeu-se a aplicar sem atrasos as políticas negociadas com os credores, para concluir rapidamente a primeira avaliação das reformas e poder obter os fundos necessários para recapitalizar a banca e iniciar o debate sobre a reestruturação da dívida.

“Garantir estes objetivos é uma condição para poder regressar ao crescimento”, disse o líder do partido da esquerda grega, para acrescentar que “se tudo correr bem” a Grécia voltará a registar números positivos no primeiro semestre de 2016.

O primeiro-ministro grego prometeu ainda desencadear diversas iniciativas para tornar a economia atrativa para os investimentos sem pôr em causa a coesão social e garantir a proteção do meio ambiente e a valorização dos bens do Estado.

Assegurou ainda que quando for discutido o alívio da dívida, após a aprovação pelos credores da primeira revisão do resgate, o Governo apresentará uma estratégia e propostas claras.

O chefe do Governo grego, que renovou a coligação no poder com os Gregos Independentes (direita soberanista anti-austeridade), precisou que o objetivo consiste em “alargar os prazos de devolução, estabilizar as taxas de juro, obter um período de graça e condicionar o pagamento da dívida ao crescimento económico”.

Tsipras sublinhou que não põe em causa os diversos compromissos do resgate, mas sublinhou que ainda existem diversos segmentos pendentes que o Governo negociará “com firmeza”.

Em concreto, referiu-se à negociação sobre o crédito malparado da banca, e que “lutará” para proteger os inquilinos despejados de suas casas.

Numa referência às promessas eleitorais do partido — que conheceu uma cisão da sua ala mais radical, que se opôs ao acordo com os credores em meados de julho que implicou o terceiro programa de resgate –, anunciou uma negociação dura relacionada com a determinação do governo em restabelecer os contratos coletivos e o salário mínimo, em impedir a privatização da companhia de eletricidade estatal e das redes de distribuição de energia.

“Vamos sugerir um conjunto de iniciativas para salvaguardar a abertura do mercado de energia mantendo o caráter público dos organismos”, afirmou.

Por fim, referiu-se ao fundo para as privatizações de propriedade pública, um dos pontos mais controversos das negociações com os credores internacionais (UE e FMI), e assegurou que o Governo se vai empenhar em garantir a melhor valorização possível dos bens do Estado.

OJE

Recomendadas

Cimeira da NATO: o Ártico é a próxima fronteira

A entrada da Suécia e da Finlândia na NATO, um dos temas centrais da agenda da cimeira da Roménia, transforma o Ártico numa nova zona de conflito potencial. A Rússia lembrou esse perigo, que Jens Stoltenberg conhece bem.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

Morreu Jiang Zemin, ex-presidente e um dos construtores da China moderna

Foi um dos obreiros do crescimento económico da China e pretendeu construir um relacionamento estável com os Estados Unidos. Queria uma China a “entrar no mundo”.