GreenVolt lança fundo de 133,5 milhões para instalar painéis solares em Espanha

Este fundo de titularização de 133,5 milhões de euros, pensado para fomentar a transição energética, permitirá dispensar os consumidores do investimento inicial, detalha a GreenVolt. O fundo recebeu luz verde da CNMV.

A GreenVolt – Energias Renováveis, através da sua participada, a Perfecta Energía, lançou um fundo pioneiro que “irá permitir acelerar a penetração do autoconsumo a partir de painéis solares fotovoltaicos no mercado residencial espanhol”, refere a empresa em comunicado.

Este fundo de titularização de 133,5 milhões de euros, pensado para fomentar a transição energética, permitirá dispensar os consumidores do investimento inicial, a principal barreira à adoção desta forma de geração de energia limpa e barata, detalha a GreenVolt.

A Comisión Nacional del Mercado de Valores já aprovou a criação do fundo da Perfecta Energía e da Q-Impact, através da sua subsidiária Perfecta Consumer Finance.

Este fundo contará com uma linha de crédito disponibilizada pelo Barclays Bank e terá um um valor inicial de 50 milhões de euros expansível até 100 milhões. A valor máximo do fundo poderá chegar a 133,5 milhões.

“Ao permitir gerar poupanças para os clientes residenciais desde o primeiro dia, uma vez que a redução na fatura energética será sempre superior ao custo do financiamento obtido através deste fundo de securitização, será possível às famílias economizarem sem terem de fazer um esforço inicial de investimento”, diz a GreenVolt.

A Perfecta Energía é uma empresa do Grupo GreenVolt, detida em 42,19%, com uma opção de compra de uma posição de controlo. Esta empresa é especializada em soluções de autoconsumo, sendo líder no setor residencial em Espanha. A Perfecta está também no mercado com a Perfecta Industrial, uma empresa focada no segmento do autoconsumo empresarial.

Até à data, a Perfecta Consumer Finance tem mais de 10 milhões de euros em instalações de autoconsumo residencial, em mais de 1.500 lares espanhóis, gerando um investimento com impacto direto positivo na poupança familiar e na redução da pegada de carbono. Com o fundo de securitização, a empresa quer acelerar ainda mais esse investimento através de um modelo de financiamento aberto a terceiros.

Além da Perfecta, a GreenVolt conta ainda com a Univergy Solar no mercado de autoconsumo empresarial em Espanha, estando neste mesmo segmento em Portugal através da Profit Energy, detida em 70%. Para o mercado residencial, a empresa conta com a Energia Unida, que está focada no desenvolvimento das Comunidades de Energia.

“A par do importante segmento da geração distribuída de energia, a GreenVolt, empresa líder na produção de energia renovável, atua na promoção de projetos eólicos e solares fotovoltaicos, com atuação em vários mercados europeus e no mercado americano, com um pipeline de 6,6 GW — com 2,7 GW em Ready to Build ou em fase avançada de desenvolvimento até 2023”, lê-se no comunicado.

A empresa liderada por João Manso Neto produz também energia a partir de biomassa, recorrendo a resíduos florestais, agroflorestais e urbanos, tanto em Portugal como no Reino Unido.

“Para muitos consumidores residenciais, o esforço financeiro inicial afigura-se como um grande entrave à adoção desta nova forma de geração de energia limpa e barata”, avança a empresa que diz que “eliminando essa barreira, graças a este fundo pioneiro que aproxima as potencialidades do mercado de capitais das famílias, será possível acelerar a penetração das energias renováveis no mercado espanhol, fomentando-se a transição energética que levará à descarbonização da economia”.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

Negócios com empresas portuguesas caem nos primeiros sete meses de 2022

As fusões e aquisições caíram 24% para 249, em comparação com o mesmo período do ano passado, e o valor dos mesmos recuou 61% para 5,8 mil milhões de euros. Garrigues, JP. Morgane e Seale & Associates lideram assessorias.

Pepco. “Primark da Polónia” vai abrir as primeiras lojas em Portugal no próximo ano

Portugal será o 18º mercado da marca que pertence ao britânico Pepco Group e tem cerca de 3 mil lojas na Europa. Inicialmente, haverá estabelecimentos no Porto, em Lisboa e na região do Algarve, mas o objetivo é expandir para o resto do país.
Comentários