Greta Thunberg critica primeiro-ministro australiano: “Nem catástrofes parecem resultar em ações políticas”

Face ao agravamento dos incêndios, Morrison sublinhou esta segunda-feira que não ajustará as suas políticas em função do “pânico”. Em resposta à jovem sueca, o Scott Morrison apenas disse: “Não estou aqui para impressionar gente de fora”.  

A ativista sueca Greta Thunberg utilizou a rede social Twitter para alertar o público sobre a falta de ação por parte do governo face ao agravamento dos incêndios na Austrália.

Numa publicação, que já conta com mais de 51 mil partilhas, a jovem sueca escreveu: “Nem catástrofes como estas parecem resultar em ações políticas. Como é que isto é possível?”, questionou sobre o assunto.  “Ainda não conseguimos fazer a ponte entre a crise climática e o aumento do clima extremo e desastres naturais como os #FogosdaAustralia. Isso tem que mudar. Agora”, apelou.

Durante uma conferência de imprensa, esta segunda-feira, o primeiro-ministro australiano garantiu que não ajustará as suas políticas em função do “pânico”: “o que não faremos é adotar medidas destruidoras de empregos e da economia”. O primeiro-ministro aproveitou o momento para acrescentar que as alterações climáticas são “tão importantes agora” como eram antes dos incêndios e que não aceita “a sugestão de que a Austrália não está a carregar o seu fardo”.

Em relação às palavras de Greta, Scott Morrison descartou a opinião da jovem de 16 anos dizendo que “não me cabe a mim comentar o que as pessoas fora da Austrália pensam que a Austrália deve fazer. Não estou aqui para impressionar gente de fora”.

Citado pela “BBC”, o chefe do Executivo local disse que as alterações climáticas são “tão importantes agora” como eram antes da vaga de incêndios. Segundo ele, a Austrália está no caminho do cumprimento dos seus compromissos na redução das emissões poluentes, uma garantia anteriormente contestada pelas Nações Unidas. “Não aceito a sugestão de que a Austrália não está a carregar o seu fardo”, declarou.

Os bombeiros continuam a lutar para conter incêndios florestais em vários estados e em condições quentes e secas. A chefe do Executivo de Nova Gales do Sul, Gladys Berejiklian, referiu que já “não resta muito” da pequena localidade de Balmoral após os incêndios do fim de semana.

Na semana passada, Scott Morrison pediu desculpas por estar de férias no Havai numa altura em que a situação dos incêndios se agravou. “Lamento profundamente qualquer ofensa causada a qualquer um dos muitos australianos afetados pelos terríveis incêndios ocorridos durante a minha ausência com a minha família”, disse.

O primeiro-ministro foi amplamente criticado depois de terem vindo a público relatos de que se teria ausentado do país sem aviso prévio. Os seus ministros defenderam o direito do chefe de Governo àquela pausa mas recusaram-se a confirmar o seu paradeiro. Uma fonte oficial do Executivo chegou mesmo a dizer que os relatos de que estaria no Havai eram “incorretos”.

Recomendadas

Rússia apoderou-se formalmente da central nuclear de Zaporijia

A central de Zaporijia, a maior central nuclear da Europa, está nas mãos das tropas russas desde o início de março.

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Prémio Nobel da Química para 3 cientistas responsáveis química ‘bioorthogonal’

O termo química ‘bioorthogonal’ refere-se a qualquer reação química que pode ocorrer dentro de sistemas vivos sem interferir nos processos bioquímicos nativos. O termo foi cunhado por Carolyn R. Bertozzi em 2003.
Comentários