Greve da PGA com adesão total, mas sindicato pondera novas formas de luta

A greve dos tripulantes de cabine da Portugália (PGA) recomeçou hoje com adesão total, segundo o sindicato, que critica o silêncio da empresa e pondera marcar nova assembleia de tripulantes para discutir mais formas de luta. “Lamentamos que desde que entregámos o pré-aviso de greve, há três semanas, não tenha havido qualquer contacto da empresa […]

A greve dos tripulantes de cabine da Portugália (PGA) recomeçou hoje com adesão total, segundo o sindicato, que critica o silêncio da empresa e pondera marcar nova assembleia de tripulantes para discutir mais formas de luta.

“Lamentamos que desde que entregámos o pré-aviso de greve, há três semanas, não tenha havido qualquer contacto da empresa com os tripulantes”, disse à Lusa Ivo Fialho, do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC).

A greve de hoje está a ter os mesmos resultados da realizada na sexta-feira, explicou o sindicalista, estando apenas a efetuar-se os voos incluídos nos serviços mínimos.

Também tal como há dois dias, a PGA está a mudar voos e a alterar rotações, encontrando soluções que não prejudiquem os passageiros devido à paralisação.

“Recolocámos todos os passageiros e o impacto da greve está a ser reduzido”, afirma Carina Correia, da direção de comunicação da TAP, empresa dona da PGA.

O dirigente sindical reconhece que “numa greve ninguém sai a ganhar” e que os tripulantes também “perdem” com a greve, mas ressalva não terem desistido de conseguir um diálogo com a empresa para que esta cumpra as suas obrigações legais.

“Vamos esperar que a PGA tome esse passo” para um diálogo com o sindicato, precisa, adiantando estar a ponderar marcar uma nova assembleia de tripulantes para discutir novas formas de luta face à falta de resposta da empresa às exigências dos tripulantes.

A greve dos tripulantes de cabine da PGA tem a duração de dois dias, tendo o primeiro sido cumprido na sexta-feira, e o segundo começado às 00h00 de hoje.

Os tripulantes reivindicam o cumprimento do acordo de empresa e da legislação, nomeadamente no que toca a limites legais do cumprimento do serviço noturno e de prazos para alterar serviços planeados.

No pré-aviso de greve, o SNPVAC justifica este protesto com “o desgastado ambiente laboral causado por uma gestão operacional caracterizada por permanentes violações às regras laborais estabelecidas no clausulado do Acordo de Empresa PGA/SNPVAC vigente, desrespeitando os mais elementares princípios da negociação coletiva e revelando um total desrespeito pelos direitos dos tripulantes de cabine, nomeadamente, pelo agravamento contínuo e sistemático das suas condições de trabalho”.

OJE/Lusa

Recomendadas

“Empresas arriscam sozinhas a entrada em mercados pela fraca dinamização e falta de apoio”

Mais de mil empresas participaram no Portugal Exportador no dia 23, orientado para a estratégia de internacionalização.

Rampa Digital dá consultoria às empresas sobre negócios no online

Associação .PT, gestora do domínio web português, quis estar perto das empresas que estão em processo de internacionalização.

Greve na Vueling com impacto reduzido tanto em partidas como chegadas de voos

A Vueling espera operar normalmente hoje 502 voos em toda a sua rede: 136 dos 162 programados em Barcelona (84%), 198 dos 215 programados no resto de Espanha (92%) e 169 dos 184 programados internacionalmente (92%).