Greve dos enfermeiros com adesão de 65%

A greve de hoje dos enfermeiros está a registar uma adesão de cerca de 65% a nível nacional, percentagem que sobe para os 100% em alguns centros de saúde, adiantou fonte sindical.

“Temos vários centros de saúde com 100% de adesão à greve por parte dos enfermeiros e alguns constrangimentos nas consultas externas”, adiantou à Lusa Guadalupe Simões, dirigente do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP), que convocou a paralisação de dois dias que decorre até quarta-feira.

Segundo a dirigente sindical, a nível global a adesão à greve está nos 65% no país, com reflexos nas atividades programadas, como as consultas externas e as cirurgias previamente agendadas.

Guadalupe Simões assegurou ainda que os serviços mínimos previstos no pré-aviso estão a ser cumpridos, entre os quais as urgências, os cuidados intensivos, o bloco operatório com exceção das cirurgias programadas, a hemodiálise e os tratamentos oncológicos.

Estes dois dias de greve seguem-se a uma primeira paralisação realizada na quinta e sexta-feira, que, segundo a dirigente sindical, registou uma adesão global de cerca de 60%.

O SEP espera que o Ministério da Saúde agende uma reunião para iniciar negociações destinadas a repor a paridade entre a carreira de enfermagem e a de técnico superior da administração pública, alegando que se verifica uma discriminação em todos os níveis remuneratórios.

Além disso, o sindicato reivindica o pagamento da reposição dos pontos da carreira com retroativos a janeiro de 2018 e não a janeiro deste ano, como decidiu o Governo recentemente.

No início do mês, o Ministério da Saúde anunciou que, na sequência de negociações com os diversos sindicatos, cerca de 20 mil enfermeiros seriam abrangidos pelo descongelamento da progressão salarial, com o pagamento dos retroativos a janeiro de 2022.

Recomendadas

Diretor da urgência do Santa Maria alerta para falhas no encaminhamento de doentes

O diretor do serviço de urgências do Hospital de Santa Maria alertou hoje para falhas na rede de referenciação dos serviços de urgência, que encaminham demasiados doentes para aquele serviço quando há alternativas, agravando a pressão sentida.
médicos

1,4 milhões de portugueses não têm médico de família

Este valor corresponde sensivelmente a um sétimo do total de pessoas inscritas no Serviço Nacional de Saúde (SNS), segundo o jornal “Público”.

SNS24 atendeu em novembro 194 mil chamadas e encaminhou 56 mil doentes para urgências

Apesar deste aumento de chamadas para o Centro de Contacto do Serviço Nacional de Saúde (808 24 24 24), estes números ainda estão abaixo dos picos do período pandémico, referem os Serviços Partilhados do Ministério da Saúde (SPMS) numa resposta enviada à Lusa.
Comentários