Greve dos trabalhadores da Refer rondou os 15%, diz empresa

A Refer anunciou hoje que a greve dos trabalhadores que contestam a fusão da empresa com a Estradas de Portugal teve uma adesão de cerca de 15%, limitando a circulação dos comboios aos serviços mínimos. Susana Abrantes, porta-voz da Refer, avançou à Lusa que a adesão à greve de quinta-feira “rondou os 15 % em […]

A Refer anunciou hoje que a greve dos trabalhadores que contestam a fusão da empresa com a Estradas de Portugal teve uma adesão de cerca de 15%, limitando a circulação dos comboios aos serviços mínimos.

Susana Abrantes, porta-voz da Refer, avançou à Lusa que a adesão à greve de quinta-feira “rondou os 15 % em termos globais”, adiantando que se realizaram “25% das circulações diárias previstas para o período, que correspondem aos serviços mínimos” fixados pelo Tribunal Arbitral.

A greve dos trabalhadores da Rede Ferroviária Nacional, que contestam a fusão com a empresa Estradas de Portugal (EP), causou quinta-feira perturbações e supressões na circulação de comboios de passageiros e de mercadorias nos operadores da CP, Fertagus, CP Carga e Takargo.

A Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (FCTRANS) adiantou quinta-feira à Lusa que a adesão à greve dos trabalhadores da Refer foi de 100%.

Os trabalhadores da Refer decidiram em plenário, a 02 de dezembro, marcar uma greve de 24 horas, com início às 00:00 de quinta-feira, para contestar a fusão com a EP anunciada pelo Governo, que, argumentam, “não é sustentada por nenhum estudo que aponte benefícios”.

Em declarações à Lusa, José Manuel Oliveira explicou que os trabalhadores da empresa pública decidiram avançar para a greve por recearem a perda dos postos de trabalho e de direitos.

No dia em que os trabalhadores da Refer fizeram greve, a fusão com a empresa Estradas de Portugal (EP) deu mais um passo, com a aprovação do modelo de governo de futura empresa, a Infraestruturas de Portugal, disse à Lusa fonte oficial da comissão de planeamento.

Na reunião semanal, a comissão de planeamento para a fusão das duas empresas, liderada por António Ramalho, aprovou a proposta da modalidade jurídica da fusão e do modelo de governo da futura empresa e a proposta de estatutos da Infraestruturas de Portugal.

A Infraestruturas de Portugal, nova empresa que nascerá da fusão, contará com mais de 4.000 trabalhadores – dos quais 1.090 da Estradas de Portugal e 2.955 da Refer – e será gestora de 13.515 quilómetros de rodovia e 2.794 quilómetros de ferrovia.

OJE/Lusa

 

Recomendadas

Portugal defende “acordo equilibrado” para gestão de ‘stocks’ pesqueiros

Portugal defendeu na segunda-feira em Bruxelas um “acordo equilibrado” para a gestão de ‘stocks’ pesqueiros entre a União Europeia, Reino Unido e a Noruega, informou hoje o Ministério da Agricultura e Alimentação. Em comunicado, o Ministério indica que no Conselho Agricultura e Pescas da União, que decorreu em Bruxelas na segunda-feira foram discutidas as orientações […]

Revista de imprensa nacional: as notícias que estão a marcar esta terça-feira

“Salário mínimo vai perder poder de compra pela primeira vez desde 2013”; “Famílias com prazo-limite para tratar das partilhas de terrenos”; “Seleção procura lugar na final four antes do anúncio dos convocados para o Mundial”

Marcelo “pessimista” teme efeitos de “discurso muito dramático” do BCE (com áudio)

Perante uma plateia de empresários portugueses em São Francisco, na noite de segunda-feira na Califórnia, hoje de madrugada em Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa assumiu, porém, também ele “uma análise pessimista” da conjuntura económica portuguesa nos próximos tempos, “por causa do mundo”.