Greve na Docapesca encerrou maioria das lotas. Ou não.

A greve dos trabalhadores da Docapesca encerrou a grande maioria das lotas, com exceção de Sesimbra, adiantou o sindicato. Já a A Docapesca diz que a maioria das lotas funcionou com “total normalidade”.

A greve dos trabalhadores da Docapesca encerrou esta quinta-feira a grande maioria das lotas, com exceção de Sesimbra, adiantou à Lusa o sindicato que convocou a paralisação, lamentando a ausência de respostas.

“Tirando uma lota com algum significado, que é Sesimbra, as restantes, praticamente, estiveram encerradas. Numa ou em outra lota esteve apenas um trabalhador a fazer alguns serviços”, afirmou o dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Marinha Mercante, Agências de Viagens, Transitários e Pesca (Simamevip) Frederico Pereira, ressalvando que ainda não tem números concretos de adesão.

Já a administração da Docapesca disse que a adesão à greve dos trabalhadores não ultrapassou os 37% e que a maioria das lotas está a funcionar com “total normalidade”, contrariando o balanço feito pelo sindicato que convocou a paralisação.

“O nível global de adesão à greve por parte dos trabalhadores da empresa não ultrapassou os 37%, valor muito abaixo do registado na greve anterior (70%), permitindo assim manter ativa a cadeia de abastecimento do pescado fresco ao país”, adiantou fonte oficial da Docapesca.

Neste sentido, a maioria das lotas exploradas pela Docapesca “está a funcionar com total normalidade”, sendo que, a nível nacional, Sagres foi o único estabelecimento encerrado.

O sindicato referiu, por seu turno, que em algumas lotas foram utilizados trabalhadores “de forma ilegal”, tendo já sido apresentada uma queixa formal sobre a matéria. Segundo a nota da Docapesca, nos estabelecimentos de venda onde a greve teve maior expressão “foram adotados mecanismos de funcionamento simplificado”, garantindo a disponibilidade “do serviço público prestado pela empresa ao setor económico da pesca”.

A mesma fonte referiu ainda que as lotas e postos de vendagem concessionados a terceiros não estavam abrangidas pelo pré-aviso de greve, tendo mantido “a sua plena atividade”.

Na quarta-feira, a Docapesca lamentou o impasse negocial com o sindicato da CGTP, considerando que a proposta que fez beneficiaria os trabalhadores e disse que a greve de três dias irá penalizar a economia.

“A Docapesca continua empenhada em melhorar as condições dos seus, assim como em minimizar as gravosas consequências de mais esta greve, que irá afetar negativamente a atividade económica do país, num contexto de forte incerteza que se vive como resultado do conflito no leste europeu”, referiu, em comunicado, a empresa pública responsável pela gestão dos portos de pesca e organização da primeira venda de pescado em Portugal Continental.

Segundo esta empresa, as negociações com os sindicatos Simamevip (CGTP) e Sindepescas (UGT), que estavam interrompidas desde março de 2022, foram recentemente retomadas, pois reconheceu ser baixo o valor do salário mínimo nacional pago a 60% dos trabalhadores, pelo que iniciou “um processo de revisão da tabela salarial, com impacto nos próximos anos, e um ajuste imediato nos escalões da tabela, a qual remonta a 2018”.

A Docapesca referiu que as estruturas sindicais reconheceram a importância da retoma negocial, mas “não demonstraram concordância com o valor do ajuste imediato às remunerações, inicialmente apresentado”, pelo que fez uma nova proposta, desta vez de um aumento salarial de 20 euros a todos os trabalhadores que auferem remunerações até 750 euros e um aumento de 10 euros para os restantes trabalhadores, com efeitos a 01 de julho de 2022.

 

Recomendadas

Calendário do PRR é para manter

Eventual adiamento do calendário do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), sugerido há poucas semanas por Marcelo Rebelo de Sousa e Mariana Vieira da Silva, será de muito difícil concretização. Foco vai permanecer na execução. O tema foi abordado nas contactos que uma equipa da Comissão Europeia teve esta quarta-feira em Lisboa com o Governo, grupos parlamentares e parceiros sociais.

Finanças reembolsam 2.475 milhões de IRS. Prazo médio de pagamento regressa ao pré-pandemia

Até agora, foram entregues cerca de 5,5 milhões de declarações de IRS pelos contribuintes, sendo que 32% foram submetidas através do IRS Automático (preenchimento automático dos dados da declaração por parte da AT, através das informações comunicadas de forma automática às Finanças) e 68% foram submetidas de forma manual, revela o Governo.

Défice orçamental cai 411 milhões até maio. Saldo primário é positivo em 2,5 mil milhões

A melhoria do saldo das Administrações Públicas até maio reflete a dissipação dos efeitos da pandemia, refere o Ministério das Finanças em comunicado.
Comentários