Greve no Metro do Porto com adesão total entre associados do Sindicato dos Maquinistas

“Aceitamos os aumentos propostos pela empresa, o problema aqui é a vigência do acordo. A empresa quer impor a vigência para três anos, nós só queremos para dois”, afirmou Hélder Silva.

A greve de maquinistas da Metro do Porto está hoje a registar uma “adesão total” entre os associados do Sindicato dos Maquinistas, que reivindicam melhores condições de trabalho e uma atualização salarial, disse fonte sindical.

Em declarações à Lusa, o dirigente sindical Hélder Silva referiu que, à semelhança do que aconteceu na sexta-feira, primeiro dia de greve, também hoje “apenas 20/30 dos cerca de 150 maquinistas estão a trabalhar”.

“Os que não aderiram à greve são, sobretudo, maquinistas com contratos precários”, afirmou.

O objetivo do protesto é “desbloquear as negociações entre a empresa Metro do Porto/ViaPorto e os trabalhadores e conseguir uma convergência de posições entre as duas partes”, acrescentou o dirigente do sindicato.

“Aceitamos os aumentos propostos pela empresa, o problema aqui é a vigência do acordo. A empresa quer impor a vigência para três anos, nós só queremos para dois”, afirmou Hélder Silva.

Caso as negociações não sejam retomadas, o sindicato pondera avançar com novos protestos.

Contactada pela Lusa, a Metro do Porto escusou-se a comentar os motivos e a adesão à paralisação.

Na sua página na Internet, a empresa refere que o serviço estará “fortemente condicionado” e com as linhas Azul (A), Vermelha (B), Verde (C), Violeta (E) e Laranja (F) encerradas, existindo apenas circulações muito pontuais na Linha Amarela (D) e no tronco comum, entre as estações Senhora da Hora (Matosinhos) e Estádio do Dragão.

“A capacidade de transporte será muito limitada, não obstante serem desenvolvidos todos os esforços no sentido de minimizar os impactos”, sublinha a Metro do Porto.

A empresa lembra que hoje realiza-se o jogo FC Porto – Atlético de Madrid, da Liga dos Campeões, referindo que a Estação Estádio do Dragão vai estar, por motivos de segurança, encerrada e sem serviço.

A Estação Combatentes estará, também por razões de segurança, encerrada e sem serviço após as 21:30.

À semelhança do que sucedeu na sexta-feira, a empresa disponibiliza hoje um serviço de transportes alternativos em autocarro em segmentos das linhas Vermelha e Verde.

Assim, desde as 06:00 e até à 01:00, haverá autocarros disponíveis para clientes portadores de título Andante entre a Póvoa de Varzim e a Senhora da Hora (Linha Vermelha), com paragens nas estações de Metro da Póvoa, Vila do Conde e Senhora da Hora).

De igual modo, no segmento entre o Fórum Maia e o ISMAI, existe um serviço de autocarros em vaivém, com paragem naquelas duas estações.

Recomendadas

Sindicatos desconvocam greve no Metro de Lisboa marcada para quarta-feira

No entanto, a Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações entregou um novo pré-aviso de paralisação para 25 de outubro.

Talent Protocol compra empresa canadiana ligada à blockchain

A escolha recaiu sobre a Agora Labs, fundada por um grupo de quatro adolescentes. Matthew Espinoza (agora com 20 anos) e Freeman Zhang (de 19 anos) juntam-se à equipa da startup portuguesa dos ‘tokens’ para profissionais talentosos.

Networkme recebe um milhão de euros para expandir negócio na Península Ibérica

O financiamento foi liderado pela sociedade de capital de risco Big Sur Ventures, que conta com a participação do banco espanhol Bankinter, através da Fundação Inovação Bankinter.
Comentários