Grilo doméstico é o terceiro inseto autorizado por Bruxelas como ingrediente alimentar

Os grilos-domésticos serão disponibilizados inteiros – congelados ou desidratados – e em pó, esclarecem os responsáveis da Comissão Europeia.

O grilo doméstico é o terceiro inseto autorizado pela Comissão Europeia (CE) a ser utilizado como ingrediente alimentar no mercado da União Europeia (UE), sendo o terceiro inseto a ser aprovado nesta tendência dos novos alimentos.

“A Comissão autorizou ontem a comercialização do grilo-doméstico (Acheta domesticus) como novo alimento na UE. É o terceiro inseto aprovado com êxito para consumo e segue-se a autorizações já concedidas no passado mês de julho para as larvas de tenébrio desidratadas e em novembro para os gafanhotos-migratórios”, anuncia um comunicado do RAPID – boletim informativo da representação da Comissão Europeia em Portugal.

De acordo com esse documento, “os grilos-domésticos serão disponibilizados inteiros – congelados ou desidratados – e em pó”.

“Esta autorização foi aprovada pelos Estados-Membros em 8 de dezembro de 2021, na sequência de uma avaliação rigorosa da Agência Europeia para a Segurança dos Alimentos, que concluiu que o consumo deste inseto é seguro para as utilizações apresentadas pela empresa requerente. Os produtos que contêm este novo alimento serão devidamente rotulados para assinalar quaisquer reações alérgicas potenciais”, esclarece o referido comunicado.

Os responsáveis da CE recordam que, “nos últimos anos, a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura concluiu que os insetos são uma fonte alimentar nutritiva e saudável, com elevado teor de gordura, proteínas, vitaminas, fibras e minerais”.

“Além disso, os insetos constituem uma parte substancial da dieta diária de centenas de milhões de pessoas em todo o mundo. No contexto da Estratégia do Prado ao Prato, os insetos são também identificados como uma fonte alternativa de proteínas que poderia facilitar a transição para um sistema alimentar mais sustentável”, conclui o comunicado em questão.

Recomendadas

Vindima no Douro arranca mais cedo para “salvar” uva da seca e do calor

A vindima começou mais cedo no Douro para “salvar” a uva da seca e do calor e, pelos valados de uma quinta, em Alijó, cruzam-se vindimadores portugueses, timorenses e ucranianos, que minimizam a falta de mão-de-obra.

“Os insetos não são um risco nem uma ameaça, mas sim um benefício”, salienta CEO da Entogreen

Na Entogreen, empresa da área biotecnológica, os insetos são usados na indústria agroalimentar para evitar ou atenuar perdas económicas para as empresas. “Não inventámos nada, apenas adaptámos o que acontece na natureza”, diz ao JE o fundador e CEO, Daniel Murta. Assista à conversa nesta “Fast Talk” conduzida pelo jornalista João Santos Costa.

“A inovação é um processo colaborativo na maior parte dos seus casos”

João Borga, Administrador da Agência Nacional de Inovação, sublinha a importância de inovar para fazer frente a um mercado cada vez mais competitivo. Neste episódio, descubra também como pode inovar.
Comentários