Gronelândia perdeu sete vezes mais gelo nos últimos 10 anos do que na década de 1990

Cientistas estimam, num estudo divulgado esta terça-feira, que a Gronelândia perdeu, em média, sete vezes mais gelo nos últimos 10 anos do que na década de 1990.

O estudo, publicado na revista científica Nature, envolveu uma equipa internacional de 89 cientistas polares, que trabalharam em colaboração com as agências espaciais norte-americana (NASA) e europeia (ESA).

Segundo o estudo, citado pela ESA, a perda de gelo na Gronelândia (região autónoma da Dinamarca) aumentou sete vezes, passando dos 33 mil milhões de toneladas anuais registados em média na década de 1990 para os 254 mil milhões de toneladas anuais nos últimos 10 anos.

O período abrangido pela investigação situou-se entre 1992 e 2018, durante o qual, segundo as estimativas dos cientistas, a Gronelândia perdeu 3,8 biliões de toneladas de gelo, o suficiente para elevar o nível médio do mar em 10,6 milímetros.

O trabalho reuniu dados de 11 satélites para analisar as alterações no volume da massa de gelo glaciar.

A partir dos dados, a equipa de cientistas estimou a perda (ou ganho) efetivo de gelo na Gronelândia.

Combinando os dados de observação por satélite com modelos climáticos, os investigadores concluíram que mais de metade da perda de gelo se deve ao aumento do degelo da superfície causado pela subida da temperatura da atmosfera. No restante, a perda é resultado de deslizamentos e deformações dos glaciares provocados pelo aumento da temperatura dos oceanos (Atlântico e Ártico).

De acordo com o coordenador do estudo, Andrew Shepherd, da Universidade de Leeds, no Reino Unido, a manter-se a tendência de crescimento da perda de gelo na Gronelândia, mais 100 milhões de pessoas que vivem em zonas costeiras estarão em risco até 2100 devido à subida do nível do mar, elevando as estimativas globais para 400 milhões de pessoas.

Recomendadas

Associação Zero: Legislação de proteção dos solos está “na gaveta” há sete anos

De acordo com a nota de imprensa, um estudo da Agência Portuguesa do Ambiente, de 2017, concluiu que o país “ganharia cerca de 25 milhões de euros em seis anos, em resultado da publicação do ProSolos, aos quais se acrescentariam ganhos ambientais e na saúde pública”.

Guia para gestão de Áreas Marinhas Protegidas quer ser “ferramenta útil”, afirma investigador

O “Guia de Boas Práticas para a Gestão e Monitorização de Áreas Marinhas Protegidas”, apresentado hoje, pretende ser “uma ferramenta útil” e simples para as pessoas que trabalham na área, disse um dos autores do documento à agência Lusa.

PremiumCOP27: economia fica sempre à frente dos interesses do planeta

A guerra, a inflação, os preços das energias tornaram a opção pela produção sustentável um luxo a que as economias não se podem dar. A guerra das Nações Unidas terá de ficar para mais tarde.
Comentários