Grupo estatal chinês duplica participação em bloco petrolífero no Brasil

O grupo estatal chinês China National Offshore Oil Company (CNOOC) disse hoje ter pagado 10,3 mil milhões de reais (1,9 mil milhões de euros) para duplicar a participação num campo petrolífero no sudeste do Brasil.

O CNOOC anunciou que a subsidiária CNOOC Petroleum Brasil comprou uma participação de 5% à petrolífera estatal brasileira Petrobras, passando a deter 10% do crude extraído do campo de Búzios, de acordo com um comunicado.

O presidente do CNOOC, Xia Qinglong, sublinhou, na mesma nota, que o negócio “expande ainda mais a presença da empresa na região de águas profundas do pré-sal do Brasil, onde existem abundantes recursos de petróleo e gás”.

A transação faz parte do “desenvolvimento internacional” do CNOOC, disse Xia, que prometeu trabalhar “em estreita colaboração com o governo e os parceiros do projeto para promover o desenvolvimento sustentável” do campo de Búzios.

O negócio, anunciado em março pela Petrobras, estava ainda dependente da aprovação pelo Ministério de Minas e Energia brasileiro, o Conselho Administrativo de Defesa Económica e a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis.

A Petrobras passa assim a deter uma participação de 85% no consórcio, com os restantes 5% nas mãos de uma outra petrolífera estatal chinesa, a China National Oil and Gas Exploration and Development Company (CNODC).

Em outubro do ano passado, o CNOOC tinha ativado uma cláusula que permitia expandir a participação no consórcio, algo que a CNODC decidiu não fazer.

A petrolífera estatal chinesa tinha demonstrado interesse em deter uma quota maior já aquando do leilão dos direitos sobre o campo de Búzios, em novembro de 2019.

Situado na Bacia de Santos, Búzios é o maior campo de petróleo do pré-sal em águas profundas do mundo, com uma produção que ronda os 600 mil barris por dia, extraídos a uma média de 2.200 metros de profundidade.

Recomendadas

PremiumContrato que prevê bónus milionário da CEO da TAP não é válido

JE revela contrato de Christine Ourmières-Widener: prevê exercício de funções até 2026 e bónus de até três milhões de euros. Mas não chegou a ser ratificado em AG da TAP.

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Contrato da CEO da TAP: “Não é só falta de retificação, é falta de aprovação”

O advogado Rogério Alves reagiu à notícia avançada pelo Jornal Económico. O contrato de Christine Ourmières-Widener com a TAP não só não foi retificado em AG como não foi aprovado. “Isto politicamente tem um custo”, diz.
Comentários