Grupo IAG compra a companhia aérea Niki por 20 ME

O grupo prevê que a nova companhia absorva cerca de 740 dos mil funcionários da Niki.

O International Airlines Group (IAG) comprou os ativos da companhia aérea NIKI, declarada insolvente, por 20 milhões de euros.

Citado pela agência EFE, o IAG, detentor maioritário de participações nas espanholas Vueling e Iberia e na britânica British Airways, explicou que “a transação será realizada, através da criação de uma subsidiária da Vueling […], que operará, inicialmente, de forma independente”.

O grupo prevê que a nova companhia absorva cerca de 740 dos mil funcionários da Niki.

O presidente do conselho da companhia austríaca, Stefan Tankovits, considerou hoje que a venda ao grupo hispano britânico “foi a melhor solução”, tanto pelo preço de compra, como pelo número de lugares que o IAG se propõe a assegurar.

A companhia austríaca foi vendida ao grupo Alemão Air Berlim em 2011. Após a insolvência da companhia alemã, a Lufthansa quis integrar a NIKI, mas a Comissão Europeia acabou por não dar luz verde à transação.

A 13 de dezembro, a NIKI solicitou um processo de insolvência, tendo o governo alemão optado por vender a companhia. Para além do IAG, a Ryanair e a Niki Lauda apresentaram propostas de compra.

Recomendadas

Ucrânia: Biden diz que aliados da NATO não serão “intimidados” por Putin

O Presidente norte-americano, Joe Biden, afirmou hoje que os Estados Unidos e seus aliados não se deixarão “intimidar” pelo seu homólogo russo Vladimir Putin, e prometeu que a NATO defenderá “cada centímetro” do seu território.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Grupo de direitos das mulheres apela à FIFA que exclua Irão do Campeonato do Mundo

“Por que a FIFA daria ao Estado iraniano e aos seus representantes um palco global, enquanto não apenas se recusa a respeitar os direitos humanos e dignidades básicos, mas atualmente está a torturar e matar o seu próprio povo?”, questionam na carta enviada ao representante do organismo.
Comentários