Grupo Luís Simões faz parceria com Frutorra para crescer no segmento do transporte dos frutos secos

A partir do seu centro logístico de Coimbra, o grupo português de transporte rodoviário de mercadorias vai fazer a gestão de toda a atividade logística da Frutorra, incluindo armazenamento, distribuição e preparação de pedidos, com uma produção de várias dezenas de milhares de caixas por mês.

O Grupo Luís Simões estabeleceu uma parceria com a Frutorra para crescer no mercado dos frutos secos.

“A Luís Simões, operador logístico de referência na Península Ibérica, anuncia uma parceria com a Frutorra, empresa especializada na importação, produção e comercialização de aperitivos, frutos secos e legumes. A Luís Simões faz a gestão da cadeia de abastecimento da empresa com o objetivo de desenvolver uma operação eficiente e segura, que promova o crescimento da Frutorra no mercado português”, anuncia o grupo em comunicado.

De acordo com esta nota, “o operador logístico incorporou no seu centro de Coimbra as operações desta empresa portuguesa de ‘snacks’ e frutos secos, adquirida em 2018 pelo grupo Grefusa”.

“A Luís Simões faz a gestão de toda a atividade logística, incluindo armazenamento, distribuição e preparação de pedidos, com uma produção de várias dezenas de milhares de caixas por mês”, revela o comunicado do grupo português transporte rodoviário de mercadorias.

Com origem em 1988, na localidade de Degracias, a Frutorra é uma empresa familiar com uma longa história, líder de mercado no setor dos frutos secos e ‘snacks’ em Portugal.

“Recentemente realizou um ‘rebranding’ e surge com nova imagem, novo logo, novo ‘packaging’ e uma nova atitude, mantendo o sabor e qualidade de sempre”, assegura o comunicado em questão.

Com a concretização desta parceria, “a Luís Simões é responsável pelas atividades logísticas da Frutorra no seu centro multiclientes de Coimbra”.

“O operador logístico assume a gestão da cadeia de distribuição, incluindo as operações de armazenamento, preparação de pedidos e distribuição, bem como as tarefas de picking. No total, uma produção de várias dezenas de milhares de caixas por mês”, adianta o comunicado em apreço.

“Estamos muito orgulhosos de que a Frutorra, uma empresa com tão longa tradição no nosso país, tenha confiado em nós para as suas operações logísticas. Desde a entrada dos produtos no nosso armazém à sua chegada ao destino, trabalhamos com critérios máximos de eficiência e segurança, incorporando sistemas inovadores que garantem a maior rentabilidade da operação. Para nós, é uma honra acompanhar esta empresa portuguesa na sua nova estratégia de crescimento”, destaca Cristina Falcão, gestora do Centro de Operações da Luís Simões em Coimbra.

Por sua vez, João Fernandes, CEO da Frutorra, afirma: “Trata-se de uma evolução nas nossas operações logísticas e estamos bastante entusiasmados por trabalhar com um parceiro já reconhecido no mercado, que nos transmite confiança nas nossas operações quotidianas.”

“A Frutorra é um dos mais recentes clientes a ser integrado no centro de operações logísticas de Coimbra, a partir do qual a Luís Simões oferece serviços de distribuição, logística e armazenamento a importantes clientes de diferentes setores, numas instalações modernas que contam com as mais recentes inovações em sistemas tecnológicos e em sustentabilidade”, conclui o comunicado do Grupo Luís Simões.

Recomendadas

Vindima no Douro arranca mais cedo para “salvar” uva da seca e do calor

A vindima começou mais cedo no Douro para “salvar” a uva da seca e do calor e, pelos valados de uma quinta, em Alijó, cruzam-se vindimadores portugueses, timorenses e ucranianos, que minimizam a falta de mão-de-obra.

“Os insetos não são um risco nem uma ameaça, mas sim um benefício”, salienta CEO da Entogreen

Na Entogreen, empresa da área biotecnológica, os insetos são usados na indústria agroalimentar para evitar ou atenuar perdas económicas para as empresas. “Não inventámos nada, apenas adaptámos o que acontece na natureza”, diz ao JE o fundador e CEO, Daniel Murta. Assista à conversa nesta “Fast Talk” conduzida pelo jornalista João Santos Costa.

“A inovação é um processo colaborativo na maior parte dos seus casos”

João Borga, Administrador da Agência Nacional de Inovação, sublinha a importância de inovar para fazer frente a um mercado cada vez mais competitivo. Neste episódio, descubra também como pode inovar.
Comentários