Grupo Parlamentar do PCP Madeira quer mais verbas para as áreas sociais e laborais

O PCP Madeira vai propor na discussão do Orçamento Regional uma contribuição sobre o setor bancário e energético e o aumento da derrama regional.

O deputado do PCP Madeira, Ricardo Lume, criticou o Orçamento Regional referindo que este documento mostra o empenho do executivo em garantir mais lucros para a banca devido à isenção dos bancos da contribuição sobre o sector bancário. O partido pede um reforço das dotações orçamentais para as áreas sociais e laborais.

O PCP Madeira esclarece que a proposta de orçamento Regional “retira verbas às funções sociais” e isenta “os bancos da contribuição sobre o setor bancário”.

Ricardo Lume refere que a contribuição sobre o setor bancário, uma medida que o PCP refere que terá um fim com o Governo Regional, tinha um grande impacto para o Orçamento Regional e que essa receita faz falta em áreas como a saúde e a educação.

O grupo parlamentar do PCP Madeira vai defender o aumento da derrama regional dos 7% para os 9% para as empresas com lucros superiores a 35 milhões de euros.

O PCP vai também propor uma contribuição extraordinária sobre o setor energético. Ricardo Lume afirma que estas propostas demonstram que é possível ir buscar mais receita aos grandes grupos económicos para dar resposta aos problemas sociais e laborais da Madeira.

Recomendadas

Médicos internos preenchem totalidade das 39 vagas disponibilizadas à Madeira

Este processo, que decorre em simultâneo a nível nacional, é acompanhado na Região Autónoma da Madeira pelo Instituto de Administração da Saúde (IASAÚDE), entidade responsável pelo Internato Médico na Região.

Funchal: Prorrogado prazo de reabilitação da ETAR

Foi aprovada a participação da Câmara num instituto sem fins lucrativos, o Instituto para o Desenvolvimento e Inovação Tecnológica (IDEA).

Madeira aprova 74 contratos-programa de desenvolvimento desportivo no valor de quatro milhões de euros

Foi autorizada ainda a celebração de um acordo de cooperação entre o Instituto de Segurança Social da Madeira e a Associação Santana Cidade Solidária, de 21,4 mil euros, relativo ao financiamento das respostas sociais loja social e atendimento e acompanhamento social.
Comentários