Grupos de hackers russos intensificam espionagem contra aliados da Ucrânia

Além da Ucrânia, a Microsoft diz que 128 organizações em 42 países foram alvo de ataque informático.

1 – Microsoft

Hackers do governo russo realizaram recentemente várias operações de espionagem cibernética visando países aliados à Ucrânia, disse a Microsoft num relatório, segundo a “Reuters”.

“Os aspetos cibernéticos da atual guerra vão muito além da Ucrânia e refletem a natureza única do ciberespaço”, disse o presidente da Microsoft, Brad Smith, no relatório.

Desde que começou o conflito especialistas já tinham rastreado um conjunto de ataques informáticos destrutivos contra entidades ucranianas que estavam ligados a grupos de hackers apoiados pelo Estado russo. Agora, descobriram que 128 organizações em 42 países fora da Ucrânia também foram alvo dos mesmos grupos.

“Muitos desses recentes esforços de intrusão foram direcionados aos Estados Unidos”, referiram especialistas da Microsoft, acrescentando que “vários países membros da aliança militar NATO — que forneceu apoio crítico à Ucrânia — também foram atingidos”.

Os ataques incluíram organizações sediadas na Polónia, Letónia, Lituânia, Dinamarca e Noruega, bem como na Finlândia e na Suécia, que expressaram desejo de se juntar à aliança da NATO nos últimos meses.

“A meta parecia ser principalmente governos, embora também incluíssem grupos humanitários”, observa o relatório.

A Rússia não comentou os possíveis ataques informáticos aos aliados da Ucrânia.

Recomendadas

Itália: Velha guarda da Liga Norte pede cabeça de Salvini após revés

A velha guarda da Liga Norte, transformada em Liga com Matteo Salvini como líder, criticou-o duramente após o revés nas legislativas de domingo.

Agência de Energia e Irão retomam contacto em Viena

O diretor da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA), Rafael Grossi, reuniu-se com o chefe do programa nuclear iraniano, Mohammad Eslami, para retomar os contactos e esclarecimentos.

São Tomé: CPLP diz que comissão eleitoral é soberana na divulgação de resultados

O chefe da missão de observação eleitoral da CPLP, o embaixador Rafael Vidal, disse que a lei são-tomense não obriga à divulgação dos resultados provisórios antes da contagem nos distritos.
Comentários