Guaidó acusa Maduro de tentar transferir mais de mil milhões de dólares para o Uruguai

Guaidó fez um “apelo ao Uruguai” para que “não se preste a que roubem parte do dinheiro” da Venezuela.

O autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, denunciou hoje que o Presidente Nicolás Maduro terá tentado transferir 1,2 mil milhões de dólares (1,05 mil milhões de euros) para o Uruguai.

“Estão (o Governo venezuelano) a tentar transferir o dinheiro de uma das contas do BANDES (Bando de Desenvolvimento Económico e Social da Venezuela) para o Uruguai”, disse aos jornalistas.

Por outro lado, Guaidó fez um “apelo ao Uruguai” para que “não se preste a que roubem parte do dinheiro” da Venezuela.

“Podemos estar a falar de entre 1.000 e 1.200 milhões de dólares (entre 877 milhões e 1,05 mil milhões de euros), que estariam tentando enviar para o BANDES Uruguai. Esta informação chega-nos de um círculo de altíssimos funcionários que neste momento estão a passar para o lado certo, o da Constituição”, afirmou.

“Para que não tenham dúvidas da importância que têm os ativos, isto é o que estão a fazer: querem roubar o ouro e roubar os fundos públicos, nada mais e nada menos o que deve ser sagrado para dar apoio à nossa gente”, frisou Juan Guaidó.

Recomendadas

Biden lamenta “crise de fé” e desafia jovens contra divisão e ódio nos Estados Unidos

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, lamentou este sábado a divisão e o ódio no país, que sofre uma “crise de fé” nas instituições, e desafiou os jovens a trabalharem para curar as feridas da nação.

Ucrânia: Macron e Scholz pedem a Putin libertação de 2.500 militares de Azovstal

O presidente francês, Emmanuel Macron, e o chanceler alemão, Olaf Scholz, pediram este sábado ao presidente russo Vladimir Putin para libertar 2.500 combatentes ucranianos que estavam na fábrica de aço Azovstal, em Mariupol, e foram feitos prisioneiros pelos russos.

PremiumDavos discute globalização na era da desglobalização

Depois da pandemia e da guerra na Ucrânia, a globalização nunca mais será a mesma. Na Suíça, os líderes mundiais tentaram descobrir como será o futuro, com todas as fronteiras e limites que as crises estão a criar.
Comentários