Guardas prisionais aguardam avaliação das Finanças das carreiras profissionais

O sindicato dos guardas prisionais entregou hoje ao Ministério da Justiça um levantamento das carreiras profissionais e índices remuneratórios, que será analisado pelas Finanças, e decidiu manter a greve até à conclusão das negociações, disse à Lusa fonte sindical.

O sindicato dos guardas prisionais entregou hoje ao Ministério da Justiça um levantamento das carreiras profissionais e índices remuneratórios, que será analisado pelas Finanças, e decidiu manter a greve até à conclusão das negociações, disse à Lusa fonte sindical.

A mesma fonte adiantou que na reunião de quinta-feira, o Ministério da Justiça propôs aos sindicatos a promoção de mais de 100 guardas e a atualização da tabela remuneratória, equiparando-a à da PSP, em contrapartida com o fim das greves em curso e que estão previstas até janeiro.

Após a reunião inconclusiva, o Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional entregou hoje de manhã no Ministério da Justiça um levantamento das categorias profissionais dos guardas para ser analisado pelas Finanças.

A fonte sindical explicou à Lusa que a aplicação da tabela remuneratória da PSP aos guardas iria prejudicar muitos profissionais caso não fossem transferidos os índices.

Para aceitaram a proposta do Governo, os guardas exigem a criação das categorias de guarda coordenador e chefe coordenador, à semelhança do que acontece na PSP.

Os sindicados que representam os guardas prisionais exigem a revisão do estatuto, a atualização da tabela remuneratória, criação de novas categorias e um novo subsídio de turno.

Alteração dos horários de trabalho, descongelamento das carreiras e novos admissões para o corpo dos guardas prisionais são outros motivos dos protestos.

O Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional iniciou no dia 06 uma greve entretanto estendida até 27 de dezembro, admitindo mais uma paralisação até ao fim do ano e greve de zelo durante todo o ano de 2019.

O Sindicato Independente do Corpo da Guarda Prisional tem, por sua vez, marcada uma greve entre sábado e 06 de janeiro, coincidindo em alguns dias com a paralisação marcada pelo SNCGP.

Recomendadas

Plataforma da A23 e A25 indignada com ausência da abolição de portagens no OE2023

Em comunicado, a plataforma salientou que “foi sem surpresa, mas com indignação”, que confirmou que “o Governo e o partido (PS) que o suporta na Assembleia da República aprovaram o Orçamento do Estado para 2023, sem nele incluírem a suspensão ou abolição das portagens nas Scut da Beira Interior (A23, A24 e A25)”.

Vulnerabilidade de imigrantes sobretudo brasileiros que pedem retorno agravou-se este ano

O Chefe da Missão da Organização Internacional para as Migrações (OIM) disse hoje que os imigrantes que recorreram este ano ao apoio ao retorno ao país de origem, 92% dos quais brasileiros, “estão em situação de extrema vulnerabilidade”.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.
Comentários