Guatemala junta-se aos Estados Unidos no reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel

O país junta-se aos Estados Unidos no reconhecimento de Jerusalém como capital do Estado de Israel, depois de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, o ter feito à rebelia da Organização das Nações Unidas e a aumentando onda de tensão no Médio Oriente.

A Guatemala anunciou este domingo que vai transferir a embaixada do país em Israel para a cidade de Jerusalém. O país junta-se aos Estados Unidos no reconhecimento de Jerusalém como capital do Estado de Israel, depois de o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, o ter feito à rebelia da Organização das Nações Unidas e a aumentando onda de tensão no Médio Oriente.

“Querido povo de Guatemala, conversei hoje [este domingo] com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, e falámos das excelentes relações que temos tido enquanto nações desde que a Guatemala apoiou a criação do Estado de Israel”, afirmou o presidente da Guatemala, Jimmy Morales, numa publicação na rede social Facebook. “Um dos temas de maior relevância foi o retorno da embaixada de Guatemala a Jerusalém”.

Jimmy Morales sublinha que já deu instruções à chanceler do país para que inicie as diligências para que a embaixada da Guatemala em Israel seja transferida para a cidade de Jerusalém, uma cidade que alberga locais sagrados para muçulmanos, judeus e cristãos e que é alvo de sérias disputadas entre eles.

Além da Guatemala, as Honduras, Islas Marshall, Micronesia, Nauru, Palau e Togo aliaram-se aos Estados Unidos nesta decisão. A questão de Jerusalém é uma das mais complicadas e delicadas do conflito israelo-palestiniano.

Recomendadas

Chefe do Estado-Maior são-tomense demite-se após ataque a quartel militar

O chefe do Estado-Maior das Forças Armadas de São Tomé e Príncipe pediu hoje a demissão, denunciando “atos de traição” e condenando os “factos horrorosos” que envolveram a morte de quatro detidos após um ataque ao quartel-general militar.

Orbán usou dados fornecidos na vacinação Covid pelos húngaros para impulsionar campanha eleitoral

“Usar os dados pessoais das pessoas recolhidos para que possam aceder a serviços públicos para bombardeá-los com mensagens de campanha política é uma traição de confiança e um abuso de poder”, disse Deborah Brown, da Human Rights Watch.

Projeto “Ponte nas ondas” integra Boas Práticas de Património Imaterial da UNESCO

O projeto luso-galaico “Ponte nas Ondas” foi hoje reconhecido pela UNESCO, em Rabat, Marrocos, passando a integrar o Registo de Boas Práticas de Salvaguarda de Património Cultural Imaterial daquela organização internacional, tornando-se na primeira candidatura portuguesa da lista.
Comentários