Guerra na Ucrânia vai manter preços de alimentos e energia em alta por três anos, alerta Banco Mundial

Face ao maior choque de commodities desde a década de 1970, o vice-presidente do Banco Mundial defende que “os formuladores de políticas devem aproveitar todas as oportunidades para aumentar o crescimento económico em casa e evitar ações que prejudiquem a economia global” de modo a evitar uma situação de estagflação.

José Coelho/Lusa

A guerra na Ucrânia vai fazer com que os alimentos e a energia fiquem mais caros nos próximos três anos, alertou o Banco Mundial, contribuindo para os receios de que a economia global esteja a caminhar para uma repetição do fraco crescimento e da alta inflação da década de 1970.

Segundo o “The Guardian”, a organização disse que existe o risco de que os custos persistentemente altos das commodities até ao final de 2024 levem à estagflação, uma situação em que se assiste simultaneamente a uma estagnação económica, ou até mesmo recessão, e altas taxas de inflação.

“No geral, isto representa o maior choque de commodities desde a década de 1970. Tal como na altura, o choque está a ser agravado por um aumento nas restrições ao comércio de alimentos, combustíveis e fertilizantes”, disse o vice-presidente do Banco Mundial, Indermit Gill.

De forma a evitar uma situação de estagflação, defende, “os formuladores de políticas devem aproveitar todas as oportunidades para aumentar o crescimento económico em casa e evitar ações que prejudiquem a economia global”.

As últimas perspetivas do banco sobre os mercados de commodities diziam que nos últimos dois anos o mundo assistiu ao maior aumento nos preços da energia desde a crise do petróleo de 1973 e ao maior salto nos preços de alimentos e fertilizantes desde 2008, alturas de crise mundiais.

Como resultado das interrupções no comércio e na produção causadas pela invasão russa, a organização prevê um aumento de 50% nos preços da energia este ano, estimando que o preço do petróleo bruto brent atinja a média de  100 dólares (95 euros) por barril, o nível mais alto desde 2013 e um aumento de mais de 40% em relação a 2021. Os preços devem cair para 92 dólares (cerca de 87,5 euros) em 2023, muito da média anual dos últimos cinco anos que se situa nos 60 dólares (57 euros) o barril.

O jornal britânico destaca que é estimado que os preços do gás europeu sejam duas vezes mais altos em 2022 do que em 2021, os preços do carvão 80% superiores e os do trigo mais 40%.

Recomendadas

Ucrânia: Costa anuncia que Zelensky convidou Marcelo para visitar Kiev

O primeiro-ministro António Costa revelou que o chefe de Estado ucraniano, Volodymyr Zlensky, convidou o Presidente da República para realizar uma visita à Ucrânia em data ainda a acertar. Desde Timor-Leste, o Presidente apressou-se a dizer que irá.

Ucrânia: Biden aprova apoio de 40 mil milhões de dólares a Kiev

O financiamento destina-se a apoiar a Ucrânia até setembro e supera a medida de emergência anterior, que disponibilizou 13,6 mil milhões de dólares (12,9 mil milhões de euros).

Portugal enviou um milhão de euros em medicamentos à Ucrânia

Os medicamentos enviados foram doados por empresas do sector farmacêutico e também pelo ministério da Saúde. A carga inclui medicamentos oncológicos, antibióticos e preparações para injetáveis, entre outros produtos. 
Comentários