Guerra entre Presidentes: Trump acusa Obama de dificultar transição

Presidente eleito dos EUA acusou o ainda chefe de Estado norte-americano, Barack Obama, de fazer declarações “inflamatórias” e de dificultar o processo de transferência de poder.

“Estou a fazer o meu melhor para ignorar os muitos obstáculos e declarações inflamatórias do Presidente [Barack Obama]. Pensei que a transição seria suave. Mas não!”, escreveu o Presidente eleito na sua conta na rede social Twitter, sem especificar o género de obstáculos, nem as referidas declarações de Obama.

Donald Trump, vencedor das eleições do passado dia 08 de novembro, será empossado a 20 de janeiro de 2017, numa cerimónia pública junto ao edifício do Capitólio, em Washington.

Dois dias depois das eleições, Trump e Obama encontraram-se na Sala Oval, o escritório presidencial na Casa Branca, e tentaram colocar de lado as divergências e os ataques dos longos meses de uma campanha eleitoral agressiva e amarga. Na mesma altura, os dois manifestaram o desejo de realizar uma transição pacífica.

Na passada segunda-feira, durante uma entrevista, Obama afirmou acreditar que seria reeleito para um terceiro mandato caso a Constituição norte-americana permitisse a sua candidatura.

O Presidente eleito utilizou igualmente a rede social Twitter para responder a Obama: “Nem pensar!”.

Recomendadas

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Prémio Nobel da Química para 3 cientistas responsáveis química ‘bioorthogonal’

O termo química ‘bioorthogonal’ refere-se a qualquer reação química que pode ocorrer dentro de sistemas vivos sem interferir nos processos bioquímicos nativos. O termo foi cunhado por Carolyn R. Bertozzi em 2003.

Japão pede à ONU que mostre firmeza após teste de míssil norte-coreano

“Nós acreditamos que a Coreia do Norte poderia realizar atos mais provocativos, como um teste nuclear”, afirmou o porta-voz do Governo japonês, Hirokazu Matsuno, numa conferência de imprensa.
Comentários