Guterres alerta para recuos na construção da paz em África e pede mais financiamento

O secretário-geral da ONU, António Guterres, afirmou hoje que os avanços alcançados na construção da paz em África estão a recuar, pedindo que sejam ampliados o financiamento e o investimento na prevenção de conflitos no continente.

Jason Szenes/EPA via Lusa

Num debate do Conselho de Segurança da ONU sobre operações de manutenção da paz em África, Guterres indicou que os contextos locais e globais em que as operações e missões das Nações Unidas trabalham estão cada vez mais desafiantes.

“As tensões geopolíticas estão a aumentar. A insegurança está a espalhar-se. Os motores da instabilidade são poderosos e reforçam-se mutuamente”, disse o secretário-geral, dando como exemplo a escalada de catástrofes climáticas, o agravamento da fome e da pobreza, aprofundamento das desigualdades, disseminação da misoginia violenta, desinformação e diminuição da confiança nas instituições.

“Tudo isso está a alimentar tensões políticas, desespero económico e agitação social. Mudanças inconstitucionais de Governo proliferam, ao lado de conflitos interestatais, invasões e guerras. As divisões arraigadas entre as potências mundiais continuam a limitar a nossa capacidade de responder coletivamente”, acrescentou, sem mencionar nenhum país em concreto.

Nesse sentido, Guterres indicou quatro prioridades para que seja alcançada a prevenção e construção da paz no continente africano.

Em primeiro lugar, o ex-primeiro-ministro português sugeriu que seja aprofundado o envolvimento com as comunidades locais e a promoção de Governos e instituições mais recetivos e inclusivos.

“Em segundo, devemos reforçar a liderança de mulheres e jovens na formação do futuro dos seus países e garantir que eles beneficiem dos ganhos de paz e desenvolvimento”, apelou.

De acordo com o líder das Nações Unidas, as contribuições das mulheres nos processos de paz a nível local têm sido fundamentais para a construção da resiliência das comunidades.

Para esse efeito, a ONU tem investido em parcerias com mulheres líderes locais e tem procurado garantir a total paridade de género e liderança feminina – inclusive através de quotas – em monitorizações eleitorais, reformas do setor de segurança, desarmamento e sistemas de justiça.

O terceiro ponto indicado por Guterres foi a necessidade de aprofundar as parcerias entre a ONU, a União Africana e outras organizações regionais, bem como com instituições financeiras internacionais e regionais.

Para último, Guterres deixou a “questão crucial das finanças”, avaliando que a comunidade internacional “continua a investir pouco na paz”.

“O Fundo de Consolidação da Paz continua a ser um recurso inestimável. No ano passado, o Fundo forneceu 150 milhões de dólares [153,5 milhões de euros] para 25 países da África e tornou-se o catalisador para contribuições muito maiores de outras instituições financeiras. Mas as necessidades superam os recursos”, observou.

“O financiamento deve ser ampliado – e as parcerias com instituições financeiras internacionais ainda mais fortalecidas”, concluiu.

Recomendadas

ONU em São Tomé elogia autoridades após ataque a quartel e pede que país seja “bom aluno”

Em entrevista à Lusa, Eric Overvest declarou que o escritório da ONU em São Tomé e Príncipe acompanhou, ao longo do dia, os acontecimentos, junto das autoridades, na sequência do assalto, por quatro homens, ao quartel militar, que o primeiro-ministro, Patrice Trovoada, classificou como “tentativa de golpe de Estado”.

PremiumJoe Biden arrisca teto para o preço do petróleo russo

A decisão não conseguiu consenso na União Europeia. Moscovo adverte que pode ser o primeiro passo para uma crise petrolífera sem precedentes. Com a Ucrânia às escuras e com frio, o Kremlin acha que a NATO já está a combater a Rússia.

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo vai liderar fundo de resgate da zona euro

Num comunicado hoje divulgado, o fundo de resgate do euro indica que “o Conselho de Governadores do Mecanismo Europeu de Estabilidade, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, nomeou hoje o ex-ministro das finanças luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor-executivo”, que ocupa a partir de 1 de dezembro.
Comentários