Há mais reformados do que trabalhadores em 23% dos concelhos

Trás-os-Montes, Beira Interior e Alentejo são os municípios onde se encontra o maior número de reformados por velhice.

Há mais reformados do que trabalhadores em 23% dos concelhos do continente de Portugal, revela esta terça-feira o “Jornal de Notícias” (JN) com base nos dados facultados pelo Instituto de Segurança Social.

“Como podem ter dinâmica económica e social? (…) Não podemos converter população em idade ativa em reformados”, afirmou ao jornal portuense Ana Alexandre Fernandes, presidente da Associação Portuguesa de Demografia.

Trás-os-Montes, Beira Interior e Alentejo são os municípios onde se encontra o maior número de reformados por velhice, segundo o JN. Já Albufeira tem três trabalhadores por cada reformado, seguindo-se Lousada e Paços de Ferreira.

Na semana passada, o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social avançou à agência noticiosa Lusa que serão 2.237 pensões da Caixa Geral de Aposentações com recálculo e pagamento de retroativos em agosto, após uma decisão do Tribunal Constitucional que implicou a revisão das reformas deferidas desde 2013.

O ministro José António Vieira da Silva disse, no parlamento, que a medida terá um impacto de 13,5 milhões de euros este ano. Segundo o governante, no mês de agosto, os pensionistas receberão o valor da nova pensão, juntamente com os retroativos relativos à correção dos valores.

Recomendadas

PremiumLeia aqui o Jornal Económico desta semana

Esta sexta-feira está nas bancas de todo o país a edição semanal do Jornal Económico. Leia tudo na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o JE e apoie o jornalismo independente.

Dois terços dos municípios aplicam derrama de IRC sendo 127 com taxa máxima

Dois terços dos municípios portugueses vão cobrar derrama de IRC às empresas instaladas nos seus concelhos, havendo 127 que aplicarão o valor máximo de 1,5%, segundo a tabela de taxas agora divulgada pelo fisco.

Governo aprova extinção do fundo de pensões da Caixa

A extinção do fundos de pensões da CGD já está aprovada. Os beneficiários não serão, contudo, prejudicados, já que as responsabilidades passam para a CGA.
Comentários