Há menos startups de hardware a candidatar-se à ajuda da EDP: “É a ‘uberização’ da energia”

A taxa de sucesso das startups incubadas pela energética é de 60%. Em entrevista ao Jornal Económico, o administrador da EDP Luís Manuel e a responsável pela incubadora do grupo contam como funciona a relação de simbiose entre estas organizações, de onde obtiveram retorno de investimento e de que forma a ‘tecnologia limpa’ se alterou desde 2010.

Cristina Bernardo

Desde que nasceu, em 2012, a EDP Starter soma 34 startups incubadas, que desenvolveram no total 27 projetos-pilotos, geraram receitas na ordem dos 40 milhões de euros e criaram aproximadamente três centenas de postos de trabalho. A EGG Electronics, a Feedzai, a Beon, a Glartek ou a Whitesmith são cinco casos de empresas que vingaram – e que contribuem para que a taxa de sucesso dos jovens negócios que ali ganham fôlego seja de 60%.

Há cinco anos à frente da EDP Starter, Carla Pimenta tem assistido de perto a uma tendência crescente para a digitalização do setor energético. “Antes recebíamos muitas mais candidaturas de startups de hardware e hoje em dia cada vez menos. É o que nós chamamos a ‘uberização’ do setor. É mais fácil de escalar e internacionalizar quando não há grande peso de ativos e capex”, explica ao Jornal Económico.

Luís Manuel, administrador da EDP Inovação, garante que não é só para o software que a empresa olha quando procura novidades nos modelos de negócios energéticos. “Às vezes é um bocadinho desanimador para empresas que estão mais no hardware quando veem o grosso dos apoios a serem canalizados para software”, confessa. Segundo o porta-voz da EDP, até 2010, o setor do clean tech cingia-se sobretudo aos equipamentos físicos, acabando por se digitalizar. “Hoje em dia quase que é um requisito poder controlar as coisas através de um smartphone. A partir daí, o hardware agrega quase sempre uma componente de software”, sublinha Carla.

A energética abre os braços a empresas com tecnologias e/ou modelos de negócio inovadores, que se adequam à sua estratégia de inovação. O programa disponibiliza ferramentas necessárias para gás ao novo negócio, nomeadamente um local de trabalho a custo zero, maior facilidade de networking e apoios menos dispendiosos a nível jurídico e fiscal, por exemplo. No entanto, as startups têm de estar prontas a desenvolver projetos-piloto e testarem os seus produtos em ativos da EDP. Atualmente trabalham seis no co-work da empresa no LACS (Lisbon Art Center & Studios), em Lisboa.

“Fazemos programas próprios de aceleração com princípio, meio e fim, onde escolhemos as melhores. Aquilo que promovemos depois é uma continuidade do relacionamento das startups e o grupo EDP, até porque começam a trabalhar connosco a seguir, num projeto-piloto a fornecer produtos e serviços”, explica a líder da comunidade de startups. Luís Manuel lembra que a empresa pede sobretudo aos empreendedores que desenvolvam as soluções “o melhor possível” nas quais estão a pensar.

Esta relação de simbiose já gerou retorno de investimento para o grupo, como a Feedzai, apontada como potencial unicórnio português. “Especializou-se no setor financeiro, mas estamos muito contentes com a performance da empresa e a temos alguns contactos operacionais muito importantes”, assegura.

O programa de aceleração EDP Open Innovation, que junta a empresa de António Mexia ao semanário “Expresso” e à Beta-i anunciou ontem que recebeu 210 candidaturas oriundas de 34 países, mais 11 do que na edição do ano passado.

Recomendadas

EDP procura startups mais inovadoras na área da energia

Elétrica lança a 7ª edição do Free Electrons em busca de startups inovadoras. Candidaturas decorrem até 28 de janeiro.

Mitos que bloqueiam progressão feminina e dificultam diversidade de género nas empresas

Relatório da Mazars e Gender Balance Observatory desmistifica mitos em contexto laboral, entre os quais a falta de ambição e a aversão ao risco entre as mulheres, a questão da maternidade ou das quotas e a meritocracia.

Mercado automóvel cresce 1,8% entre janeiro e novembro, mas muito longe dos números pré-pandemia

Dados da ACAP revelam que em termos globais, o mercado automóvel regista um crescimento de 1,8% entre janeiro a novembro de 2022, face a igual período do ano anterior. De referir que 11,1% dos veículos ligeiros de passageiros novos são elétricos (BEV).
Comentários