“Há muitos socialistas que vão votar em mim”. Vitorino Silva oficializa candidatura a Belém

Questionado a propósito da escolha do Partido Socialista em não apoiar qualquer candidato à Presidência da República, Vitorino Silva congratulou-se por essa decisão: “Foi uma opinião muito feliz por parte do PS porque há muitos candidatos que merecem os votos dos socialistas. Há muitos socialistas que vão votar em mim”.

“Não tenho dúvidas de que nestas eleições o RIR vai ser o ‘tomba gigantes’. É preciso um ‘tomba gigantes’. É preciso fazer com que os grandes desçam à terra, porque a terra é o que o dá equilíbrio.”

Vitorino Silva será novamente candidato à Presidência da República após oficializar, junto do Tribunal Constitucional, a entrega das assinaturas que lhe permite integrar a lista de candidatos a Belém.

Este candidato realçou que recolheu mais de 8 mil assinaturas (seriam necessárias 7.500 assinaturas) e, em declarações aos jornalistas, explicou como angariou estas rubricas imprescindíveis para a oficialização da candidatura.

“A minha sede de campanha é na rua, a rua é o meu gabinete. Angariei assinaturas à porta de lojas e de feiras ao ar livre. É muito duro recolher assinaturas nestas condições”, realçou Vitorino Silva.

Sobre a campanha eleitoral, este candidato acredita que os portugueses “já perceberam que esta é uma candidatura séria” e acrescentou ainda que respeita todos os candidatos “porque respeito a democracia”.

Questionado a propósito da escolha do Partido Socialista em não apoiar qualquer candidato à Presidência da República, Vitorino Silva congratulou-se por essa decisão: “Foi uma opinião muito feliz por parte do PS porque há muitos candidatos que merecem os votos dos socialistas. Há muitos socialistas que vão votar em mim”.

Recomendadas

5 de outubro: Montenegro acusa Governo de degradar ambiente político com casos

Luís Montenegro falava aos jornalistas no final da cerimónia oficial das comemorações do 112.º aniversário da implantação da República em Portugal, na qual o Presidente da República falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Itália. Governo Meloni deverá misturar técnicos e fiéis da líder

O próximo Governo de Itália, chefiado por Giorgia Meloni, deverá combinar figuras de renome técnico, em pastas cruciais para as relações com Bruxelas, e fiéis da futura primeira-ministra, segundo analistas ouvidos pela Lusa.
Comentários