Há vida para além das compras de Natal!

Aproveite Lisboa como se não houvesse amanhã. A cidade fervilha, a oferta cultural é muita e diversa, só tem de escolher. Espreite as sugestões e deixe a preguiça em casa.

A contagem decrescente já começou! Para o Natal, é certo, mas também para os dias subsequentes, em que o sentimento de culpa pelos excessos gastronómicos exige outros desmandos… como abusar de exposições, de concertos e dos mais diversos espetáculos que pode – e deve – aproveitar, porque a cultura nunca é demais. Dizem e bate certo! Aqui ficam algumas sugestões do que pode fazer em Lisboa, capazes de arrancar o mais empedernido ‘surfista de sofá’ do dito, a começar pela dança, mais concretamente por um clássico que convoca o sonho:  O Lago dos Cisnes, no Teatro Camões, numa versão coreografada por Fernando Duarte, com filme de Edgar Pêra e interpretada pela Companhia Nacional de Bailado.

Se é mais dado a música contemporânea, David Santos é o nome a reter. Não lhe diz nada, claro, porque se esconde por trás do nome artístico Noiserv. É frequente chamarem-lhe “homem-orquestra” pela mestria com que controla vários instrumentos em palco. Sozinho, entenda-se. O membro fundador dos You Can’t Win Charlie Brown vai estar no Teatro Ibérico nos dias 21 e 22 de Dezembro para voltar a surpreender.

Há um prodígio das artes gráficas do século XX cujas obras praticamente toda a gente conhece, mesmo que o nome do autor lhe escape: M. C. Escher. Pretexto para mergulhar no infinito que ele tão bem explora recorrendo a padrões e figuras geométricas e à ilusão ótica. A Mick Jagger, que o convidou para desenhar a capa de um álbum dos Rolling Stones, e a Stanley Kubrick, que contava com o seu génio criativo para transformar 2001: Odisseia no Espaço num filme “a quatro dimensões”, deu-lhes uma ‘valente nega’, mas se for ao Museu de Arte Popular ver as suas criações não corre esse risco. Quando muito, corre o risco de ficar hipnotizado pelo fabuloso mundo de Escher.

Se continuar pela zona de Belém, vale a pena dar ‘um salto’ ao MAAT – Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia. Das várias exposições, destacamos Tensão & Conflito, Arte em Vídeo após 2008, onde são visíveis as inquietações que marcam a sociedade atual: 22 artistas da América do Norte e América Latina à Europa e ao Médio Oriente questionam, muitas vezes de forma inesperada, a História recente e as transformações do presente.

Na noite de 25 de Dezembro não tem forçosamente de ficar em casa. No Casino Lisboa, pelas 22h00, atua o Gospel Collective, que integra cantores profissionais de diversas áreas musicais e nacionalidades lusófonas. Dos tradicionais espirituais negros, ao new-urban gospel e afrogospel, não faltará calor no Arena Lounge. Fica a dica para espantar o frio e a preguiça: a entrada é livre.

E eis que o Natal passou e ainda há uns quantos dias para desfrutar até à Passagem de Ano. Nada de sucumbir à letargia e às séries televisivas. Lisboa está ao rubro e nem só de luzes se faz a cidade. Há exposições que continuam até janeiro e que ainda pode aproveitar, como Do Outro Lado do Espelho, no Museu Calouste Gulbenkian, o Modernismo Brasileiro no Museu Coleção Berardo/CCB, ou Paisagens Ocultas, do pintor de ascendência grego nascido em Portugal, Nikias Skapinakis. Hoje com 86 anos, é considerado um dos maiores artistas portugueses vivos. Para ver no Museu Arpad Szenes-Vieira da Silva.

Sim, é sabido que nem só de arte vive o Homem. Por isso, deixamos a sugestão de um workshop de petiscos infalíveis para o seu jantar de Fim de Ano pela Academia Time Out. Junte a família e os amigos e mostre a sua garra de chef! Mas antes inscreva-se: é já dia 28 de Dezembro.

Se a cozinha não é a sua onda, mas gosta de magia, dizem que há uma “experiência mágica sem precedentes” no Teatro Tivoli BBVA. A ‘experiência’ dá pelo nome de CHAOS e tem a assinatura de Luis de Matos, esse mesmo, o mágico português mais premiado e distinguido de sempre. Dias 29 e 30 de Dezembro.

O Super Ano Novo no Terreiro do Paço já anda na boca de toda a gente. Fado, música africana e pop rock português vão marcar o ritmo e pôr Lisboa a dançar com três noites de concertos gratuitos!

Recomendadas

Prémio Nobel da Literatura atribuído à escritora francesa Annie Ernaux

A Academia Sueca galardoou a autora pela “coragem e acuidade clínica com que descortina as raízes, os estranhamentos e os constrangimentos coletivos da memória pessoal”.

Exposição no Museu da Marinha celebra a amizade entre Alberto I do Mónaco e Dom Carlos I

No âmbito das comemorações do centenário do desaparecimento do Príncipe Alberto I do Mónaco, o Museu de Marinha de Lisboa irá acolher uma exposição organizada pelo Comité Albert Ier – 2022. Estará patente ao público a partir de dia 15. A inauguração, na véspera, conta com a presença do atual Príncipe do Mónaco, Alberto II.

“Trair e Coçar é só começar” vai ter dois ensaios solidários

O público português tem a oportunidade de assistir aos últimos ensaios antes da grande estreia e apoiar, assim, duas associações de solidariedade.
Comentários